Comida e criatividade.

O post de hoje prova mais uma vez que podemos sim nos divertir com a comida, confira!

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.27.02

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.27.19

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.27.32

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.27.45

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.27.55

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.28.07

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.28.18

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.28.30

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.28.39

 

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.28.54

Captura de Tela 2014-05-05 às 09.29.11

Estes mapas foram criados por Caitlin Levin e Henry Hargreaves a partir de uma paixão por viagens. Quando tentamos conhecer novos lugares através dos alimentos da região, conseguimos compreender várias complexidades da cultura do lugar.
Nesse trabalho, você vai ver várias comidas típicas dos países e continentes compostos para formar o mapa do lugar.
Esses mapas mostram as viagens feitas pelos alimentos entre continentes e países, tornando-se parte da cultura e identidade dos locais. E olha que curioso: o tomate é original dos Andes, aqui na América do Sul, mas sabemos que quem consagrou o fruto em sua culinária foi a Itália.
E quem escuta “Mergulhe camarões no barbecue” sem pensar automaticamente na Austrália? Quem viaja para a França e não experimenta os pães e os queijos? E quem é que faz uma típica caipirinha brasileira sem limões?
Esses mapas são uma representação divertida da interpretação dos artistas sobre os alimentos ao redor do mundo, meticulosamente confeccionado com alimentos de verdade.
Este projeto mostra como a comida une as pessoas por todo o mundo e as envolve em boas conversas e, espera que os mapas tenham o mesmo efeito!

Dá até vontade de procurar receitas internacionais e se aventurar não é?

Açúcares, sal e suplementos: desvendando a ciência – Parte final.

Captura de Tela 2014-05-12 às 11.26.18

Já teve problemas tentando acompanhar os “certos e errados” do consumo de sódio, açúcar, vitaminas e outros suplementos? Você não está sozinho. Neste painel, apresentado pelo Fórum da Escola de Saúde Pública de Harvard e colaboração com o Huffington Post, experts da Harvard explicam as considerações mais recentes sobre nutrição e da dicas de o que os consumidores podem fazer para melhorar suas dietas. O painel também comenta alguns aspectos de políticas americanas que ajudam os cidadãos do país a consumirem refeições mais saudáveis e acessíveis.
Clique na imagem e confira o vídeo, ou acompanhe a transcrição abaixo.

Amanda Chan segue para a parte de soluções para os problemas mencionados, abrindo com um vídeo, que diz que a administração Obama quer que a compra de comidas saudáveis seja mais rápida e mais fácil, e diz que informações nutricionais tem que ser mais claras. Michelle Obama diz que muitas vezes é quase impossível ter as informações mais básicas sobre os alimentos que compramos para nossas famílias. Ela apresentou propostas de mudanças para as tabelas nutricionais que estão presentes em praticamente todas as embalagens de alimentos, que há tempos é considerada muito confusa para consumidores apressados. Segundo Michelle, você precisa semicerrar os olhos para enxergar as letrinhas, e mesmo assim ficar completamente perdido. As principais mudanças incluem: o número de calorias impresso em letras maiores e mais grossas; pela primeira vez, a quantidade de açúcares adicionados, os diferenciando dos açúcares naturais e saudáveis; e tamanhos atualizados de porções, que refletem a maneira como as pessoas comem de verdade. Muitas pessoas compram um pacote de batatas fritas e o comem inteiro, sem saber que tem mais de um porção, então com as mudanças, elas teriam a quantidade de porções e as calorias de cada uma, assim como do pacote todo. Essa tabela tem mais de 20 anos, e desde que foi criada, o foco das pesquisas mudou de gorduras para a quantidade de calorias e açúcares adicionados. A nutricionista Judy Caplan diz que o grande aumento de obesidade e diabetes nos Estados Unidos deve-se a níveis de insulina muito altos, que são resultado de comer muito açúcar. As companhias de alimentos resistiram a algumas mudanças antes, mas um grupo da indústria chama as modificações de bem pensadas e com o intuito de informar, e não confundir, os consumidores. As novas tabelas ainda estão distantes, a FDA (U.S. Food and Drug Administration) deve dar tempo para as indústrias mudarem, o que pode custar cerca de US$2 bilhões.

Voltando ao painel, Amanda passa a palavra a Dariush, perguntando o que ele acha de como os açúcares adicionados são representados, e se essa é a melhor maneira de entendermos quanto açúcar estamos consumindo. Ele diz que estão fazendo pesquisas a respeito do impacto de embalagens em geral e que a verdadeira pergunta é se isso realmente vale a pena, e é óbvio que a indústria apoiará a mudança, porque, de modo prático, há pouquíssima informação útil nessas tabelas. Na verdade, muitas dessas ênfases na verdade estão indo pelo caminho errado; ele acha que a ênfase em calorias pode soa como uma boa ideia, mas na verdade é terrível, porque você precisa mais das calorias de algum alimento do que de outro. Por exemplo, uma porção de castanhas tem 165 calorias, e uma porção de refrigerante tem 120 calorias, então as pessoas escolherão o refrigerante se o destaque forem as calorias. 30 anos atrás o foco era gorduras, porque o problema era o colesterol; agora, com a obesidade, o foco é em menos calorias, e essa não é a resposta, nós precisamos comer alimentos saudáveis. Em geral há muitas provas de que as pessoas leem as tabelas, dizem ser interessantes, mas na pratica isso muda quase nada em seus comportamentos. Então a indústria ira apoiar isso, porque é apenas uma correção supérflua, eles continuação produzindo e vendendo o que quiserem. Ao contrário, uma política governamental forte é o que pode mudar o que há na comida de verdade. Algumas coisas ali são boas, como a quantidade de porções; colocar os açúcares adicionados é bobagem, assim como o sódio. Algumas empresas diminuem a quantidade de sódio em seus produtos simplesmente diminuindo as porções; o Subway faz isso, o tamanho normal de sanduíche tem mais de 1.000mg de sódio, e suas opções saudáveis, que são aprovadas pela American Heart Association, são apenas menores. Então essas mudanças são apenas uma desculpa para evitar as mudanças governamentais que trariam efeitos verdadeiros.

JoAnn concorda que a mudança não é a solução mágica, mas acha que é muito importante que os consumidores tenham acesso a essas informações, pois muitos farão bom uso delas. Mas apenas atrás da embalagem não é o suficiente, é preciso dar mais destaque, elas precisam ser úteis para os consumidores quando eles estiverem fazendo escolhas com várias opções. Mas realmente a ênfase precisa estar em outras áreas, mais importante, deixar claro, educar a população, e até envolver médicos conversando com pacientes sobre dietas, qual é a dieta saudável, dar mais foco nos alimentos que deveriam ser comidos e que beneficiarão as pessoas. Transformar lanches e petiscos em porções de frutas; quando introduzido no começo da infância, elas se acostumam e passam a adorar comer frutas como sobremesa, e essas comidas podem tão facilmente substituir as coisas ruins que são dadas às crianças nas ruas. O que as pessoas deveriam fazer é não comprar esses produtos, que estão cheios de açúcar e sal, substitui-los por frutas e vegetais, nozes, se a criança não for alérgica, pois é o consumo precoce de alimentos industrializados que estimula e alimenta o vício neles, que gera a obesidade. Realmente seria bom se médicos ajudassem, instruíssem seus pacientes, dissessem o que é saudável e o que não é, e distribuíssem isso em suas clínicas. Frank Hu reforça que é muito importante colocar as informações nutricionais, destacar as quantidades de porções e os açúcares adicionados, pois ele está presente em todos os alimentos processados. A proposta é prudente, embora ainda não esteja perfeita. Chan pergunta o que eles acham de políticas de regulamentação mais fortes de intervenção que ao invés de destacar as opções mais saudáveis, apontam os aspectos negativos, como em Nova York, que não é permitido vender bebidas com mais de meio litro em restaurantes e fast foods, ou na Califórnia, onde propuseram colocar avisos nas bebidas. Hu diz que realmente não existe uma poção mágica, mas que aumentar o conhecimento dos aspectos negativos para que os consumidores, principalmente pais, possam fazer compras mais informados, e a restrição de tamanho em refrigerantes é uma boa ideia. Isso certamente não resolverá todos os problemas, mas já é um começo. Dariush responde que suas pesquisas tem um grande foco em testar essas políticas e sua eficiência, e as que menos funcionam são as que mais são implementadas, seus testes revelam que apenas o conhecimento não é efetivo, então só tabelas e avisos não vão funcionar. Ele menciona que no México estão aumentando os impostos sobre alimentos com muito açúcar e junk foods, e que isso deveria ser feito também nos Estados Unidos e reforçado com a diminuição se impostos para produtos saudáveis. Há muito mais coisas que se pode fazer e que são mais fortes do que está sendo feito agora. JoAnn argumenta que o conhecimento é essencial, que ajuda de verdade na hora de decidir o que comprar, até porque essas políticas são tão difíceis de implementar e demoram tanto para fazer efeito.

São escolhidas então algumas perguntas do público, que foram enviadas pelo live chat que ocorre junto com o painel, conduzidas por Lisa Mirowitz. A primeira pergunta é: “Em muitas comunidades há poucas opções das comidas certas. E vivo, assim como a maior parte da minha família em um bairro de classe média com grandes supermercados. O problema é que muitas vezes as opções mais saudáveis custam quase o dobro que o resto e eu sinto que produtos orgânicos tem mais sódio. Qual é a resposta para esses problemas? E o que fazer nos bairros mais pobres que não tem grandes supermercados disponíveis?” Quem responde é Dariush, que diz que ele estudou os dois problemas com seu time de pesquisas, e em termos de custos essa é uma visão equivocada, e em uma pesquisa mundial, e o custo de alimentos saudáveis, se você for a um restaurante ou comprar comidas pré-preparadas, o custo será maior mesmo, mas se você comprar os ingredientes e preparar suas próprias refeições, a diferença é bem pequena. Esse tipo de comida deveria custar menos, mas ainda assim, essa diferença não chega a US$10 por dia. Em questão de ambientes, as evidências são consideravelmente fracas, não há estudos feitos por longos períodos de tempo, então não há muitos dados de que fast foods e restaurantes influenciem muito. Já em relação a supermercados, as informações são mais relevantes e indicam que se houver um supermercado perto de você, sua dieta é mais saudável, mas isso pode ser apenas porque os supermercados vão para esses lugares porque é esse tipo de comida que as pessoas compram. Então precisam ser feitos estudos mais específicos, para determinar se a localização influencia na alimentação. A próxima pergunta pede para JoAnn elaborar sobre a vitamina D, quem precisa e como consegui-la. A professora começa dizendo: “todos precisam de vitamina D.” o que deve-se levar em conta são os limites de ingestão. As instruções do Instituto de Medicina de 2011 dizem que adultos até 70 anos precisam de 600 UI (unidades internacionais) por dia, e acima de 70 anos precisam de 800 UI diários. Isso pode parecer pouco, mas para manter a saúde dos ossos é só isso que você precisa, combinada com a quantidade indicada de cálcio. O júri ainda está aberto em relação a aumentar as doses e se isso seria beneficial à saúde. Estão testando 2.000 UI por dia para descobrir seu auxílio na prevenção de câncer e doenças cardiovasculares, mas ainda não há respostas. A maioria das pessoas que consomem laticínios conseguem sua cota diária apenas através da alimentação, e tomar suplementos apenas se você tiver problemas de absorção ou na saúde de seus ossos, ou se a pessoa for idosa ou incapaz de receber raios solares. O Instituto de Medicina não tem recomendações de suplementos para pessoas de pele muito pigmentada, que possuem uma síntese menor de vitamina D pelo sol; na verdade evidências recentes mostram que essas pessoas tem a mesma quantidade de vitamina D que pessoas de pele mais clara e sua estrutura óssea é melhor e mais forte. Lisa traz a última pergunta da internet, antes de abrir para o público. Muitas das dúvidas são sobre substitutos para o açúcar, e que gostariam de ouvir as opiniões dos experts sobre o uso de adoçantes, ou álcoois de açúcar que estão sendo usados em sobremesas congeladas no lugar de açúcar refinado, e se há estudos que comprovam que esses substitutos não têm efeitos colaterais negativos a longo prazo. A resposta vem de Frank, que diz que primeiramente tem que se diferenciar açúcares sintéticos, como adoçantes, e álcoois de açúcar. Não há provas claras sobre refrigerantes diet/light na massa corporal, alguns estudos mostram que eles ajudam, outros que não influenciam, mas nada que comprove ou ateste a favor de qualquer tipo de refrigerante nas dietas. Quanto aos álcoois de açúcar, eles não são nem açúcar nem álcool, é um nitrocomposto em comidas a base de frutas e vegetais, e possui menos calorias comparado ao açúcar normal. Mas seu consumo exagerado pode causar problemas, como diarreia. Os efeitos positivos de seu consumo ainda não foram estudados, e dariam tópicos muito interessantes. Dariush acrescenta que, para ele, se você consome muitos alimentos adoçados, é melhor substituir o açúcar normal por açúcar artificial, trocar o regular pelo diet ou light, mas que não devem achar que esses substitutos são inofensivos, justamente pela falta de estudos sobre o assunto. Amanda abre para perguntas da plateia, que começa com a dúvida: “Se eu seguir todos os conselhos dados aqui, qual é o aumento provável na minha expectativa de vida?” Dariush diz que seus estudos foram apenas sobre ômega 3, e que seus resultados mostram que em uma dieta com ômega 3 proveniente de alimentos, não de suplementos, há um aumento de aproximadamente 2.2 anos na expectativa de vida. E isso apenas com essa variação na dieta, se você juntar todos os hábitos saudáveis, você pode acrescentar de 6 a 8 anos. A questão é que sua qualidade de vida será muito melhor, com menor risco de doenças cardíacas, obesidade, câncer e todos os males que vem com a má alimentação, então você dorme melhor, tem menos depressão, sua mente e pensamentos ficam mais claros, as pessoas vivem melhor quando se tem dietas saudáveis. Nós fizemos um estudo que mostrou que a maior causa de morte e debilidade nos Estados Unidos foi justamente a má alimentação, superando o fumo. Então se você quer melhorar sua qualidade de vida, esse é o caminho; comer comidas saudáveis, ao invés de evitar tudo o que não é. JoAnn reforça essa ideia, acrescentando que se você está se alimentando bem, sua disposição aumenta, e é mais provável que você faça exercícios físicos, como seus estudos apontaram, e isso é fundamental para uma expectativa de vida maior. Frank dá os números: uma boa alimentação, combinada com não fumar, exercitar-se regularmente e consumir álcool moderadamente, reduz o risco de diabetes tipo 2 em 90%, doenças cardíacas em 80%, câncer de colón em 60% e morte prematura em 50%. Porém, eles dizem que não querem demonizar o consumo de açúcar, você tem que gostar da sua dieta, e se sentir confortável com ela, o problema é o consumo em excesso desse açúcar e sódio, e escasso de frutas e vegetais. Amanda então chama a última pergunta do painel, de uma moça que quer saber o que cada um deles acha que o governo deve fazer para melhorar a saúde dos americanos levando em consideração os tópicos discutidos, açúcar, sal e suplementos. JoAnn gosta da ideia de transparência, de dar informação ao público, mas ela acha que é preciso obrigar as indústrias a diminuir a quantidade de sal e açúcar que eles colocam em seus produtos, porque é muito difícil para os consumidores sequer terem escolhas mais saudáveis. Para Dariush o ideal seria taxar alimentos prejudiciais, embora não seja viável por questões políticas. Em termos de soluções práticas, programas de assistência, que seriam transformadores para muitos americanos. Ele ainda acrescenta que diminuir o sódio dos alimentos também é um bom começo e é uma opção que já está sendo trabalhada. Finalizando, Frank quer que o governo invista em pesquisas sobre nutrição, e brinca ser por razoes egoístas, mas a nutrição tem tanto potencial na prevenção de doenças crônicas, e reduz os custos com a saúde.

Fonte: http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/2014/03/24/sugar-salt-and-supplements-sorting-out-the-science/

Açúcares, Sal e suplementos: desvendando a ciência – Parte 3.

Captura de Tela 2014-05-12 às 11.26.48

Já teve problemas tentando acompanhar os “certos e errados” do consumo de sódio, açúcar, vitaminas e outros suplementos? Você não está sozinho. Neste painel, apresentado pelo Fórum da Escola de Saúde Pública de Harvard e colaboração com o Huffington Post, experts da Harvard explicam as considerações mais recentes sobre nutrição e da dicas de o que os consumidores podem fazer para melhorar suas dietas. O painel também comenta alguns aspectos de políticas americanas que ajudam os cidadãos do país a consumirem refeições mais saudáveis e acessíveis.
Clique na imagem e confira o vídeo, ou acompanhe a transcrição abaixo.

O assunto é suplementos, a área de expertise de JoAnn Manson. Eles mostram outro vídeo, sobre as recomendações de multivitamínicos, em relação à prevenção de câncer e doenças do coração. Para um terço dos americanos, o ato de tomar pílulas e mais pílulas de suplementos e vitaminas é um ritual diário, e os motivos de uso são tão diferentes quanto as pessoas que os usam. Estudos sugerem que, se você estiver tomando os comprimidos para se prevenir dessas duas doenças, você pode não estar recebendo o que pagou. Kirsten Bibbins-Domingo, PhD e professora na Escola de Medicina da UCSF, diz que, se seu objetivo era evitar câncer e doenças do coração, ainda não existiam provas suficientes contra ou a favor de que esses remédios ajudem. Agora, novos estudos revelam que vitamina E e Betacaroteno não fazem nada para prevenir essas doenças; ao contrario, o Betacaroteno na verdade aumenta o risco de câncer de pulmão em fumantes. Os representantes da indústria vitamínica dizem que muitos americanos consomem seus produtos não para a prevenção de doenças, e sim para conseguir os nutrientes que não estão encontrando em suas dietas. O Dr. Duffy McKay, do Conselho de Nutrição Responsável, defende essa prática, dizendo que multivitamínicos conseguem preencher esses vazios e prover todos os nutrientes essenciais de que precisamos. Mas especialistas alertam que as pessoas devem consultar seus médicos para saber quais suplementos elas podem, e se devem, tomar.

Amanda questiona essa afirmação, e JoAnn responde que multivitamínicos nunca serão capazes de substituir os nutrientes que uma pessoa tira de uma dieta balanceada. Na verdade, são poucas as pessoas que realmente precisam tomar esses suplementos; a parcela de pessoas que se beneficiam com seu consumo é muito pequena, seja porque suas dietas são pobres, ou seu corpo não absorve bem as vitaminas, ou que precise de algum tipo específico, como vitamina D. Mas a noção de certeza de que multivitamínicos não ajudam na prevenção de câncer e doenças cardiovasculares é meio errônea, pois existe apena um teste de grande escala, apenas em homens, com multivitamínicos, que são em torno de 20 vitaminas e minerais. Na verdade, encontraram neste teste um valor estatístico de 8% de redução de câncer, e 18% em grupos com idade avançada, de 79 anos para cima. E isso apenas entre os médicos, que possuem uma dieta mais equilibrada. Então o debate ainda está aberto, é grande o interesse em fazer mais testes, especialmente com mulheres e grupos de estudo mais significativos, para descobrir o papel do multivitamínico, nessa prevenção. Outro teste está nos planos, que verificará o efeito dos suplementos em grupos de mulheres e homens, com idades mais avançadas, com a dieta típica americana. Chan pergunta sobre a vitamina D e o cálcio, se é conhecido seu benefício, e a quem ela beneficia. Manson diz que, quando se trata de cálcio e vitamina D, mais não é necessariamente melhor. Existe uma crença de quanto mais dessas vitaminas e suplementos você tomar, mais saudável será, com a mentalidade de que se a dose indicada é boa contra alguns problemas, uma dose maior será boa para todas as doenças crônicas desse século.

Mas não é bem assim, há pouquíssimas evidências que apoiam essa ideia; na verdade, há muito que não se sabe sobre o equilíbrio, os bens e os males, de tomar doses mais altas de suplementos vitamínicos. É importante reforçar que é preciso ter um acompanhamento no uso desses produtos, pois o que se observar é que em quase todos os casos de dosagens exageradas não só não houve benefício, como também tiveram riscos. Então o que aparece no vídeo sobre o betacaroteno aumentar o risco de câncer em fumantes, e a vitamina E estar associado a distúrbios sanguíneos e aumento no risco de câncer de próstata, é que realmente não é certo que tomar doses muito além daquelas de uma dieta balanceada será bom para você e sua saúde. Em relação a suplementos, o conselho de JoAnn é para ter cautela, pois poucos dos produtos que estão no mercado foram bem testados, e os testes que foram feitos mostraram que nem sempre os benefícios superam os riscos. Claro que, se você tem uma dieta deficiente em cálcio, por exemplo, por qualquer motivo, ou se toma algum medicamento que inibe a absorção de alguma vitamina, pode complementar sua alimentação, porém sem exageros. Óleos de peixe, como ômega 3 também entram nessa lista, então ela reforça, procure um nutricionista ou outro profissional qualificado para a prescrição.

O professor Frank Hu sugere que, então para a população mais vulnerável, crianças, ou também vegetarianos, que não consomem produtos animais, o complemento vitamínico seria uma consideração importante. Mais uma vez, JoAnn diz que sim, crianças, grávidas e idosos realmente podem se beneficiar de algumas vitaminas que podem estar faltando em seus organismos, mas que a cautela deve ser constante e que é preciso orientação medica para isso. O professor Dariush Mozaffarian defende os óleos de peixe dizendo que existem testes que comprovam sua eficácia, e que entre todas as opções, eles são os que menos tem consequências quanto a superdosagem, mas Manson rebate dizendo que também tem os muitos outros testes que não comprovam. Se você não come peixe ou gorduras saudáveis, pode até complementar sua ingestão de ômega 3 com capsulas de óleos de peixe, mas existe a possibilidade de não funcionar contra doenças cardiovasculares, provavelmente por causa do uso de outros medicamentos que podem inibir sua ação.

Fonte: http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/2014/03/24/sugar-salt-and-supplements-sorting-out-the-science/

Açúcares, Sal e Suplementos: desvendando a ciência – Parte 2.

Captura de Tela 2014-05-12 às 11.27.28

Já teve problemas tentando acompanhar os “certos e errados” do consumo de sódio, açúcar, vitaminas e outros suplementos? Você não está sozinho. Neste painel, apresentado pelo Fórum da Escola de Saúde Pública de Harvard e colaboração com o Huffington Post, experts da Harvard explicam as considerações mais recentes sobre nutrição e da dicas de o que os consumidores podem fazer para melhorar suas dietas. O painel também comenta alguns aspectos de políticas americanas que ajudam os cidadãos do país a consumirem refeições mais saudáveis e acessíveis.
Clique na imagem e confira o vídeo, ou acompanhe a transcrição abaixo.

Amanda muda tópico para o sódio, iniciando a discussão com um relato recente que diz que a maior fonte de sódio em nossas dietas é o pão, e não coisas como salgadinhos, como muitos esperariam. Como saber o quanto de sal os americanos estão ingerindo, e qual a quantidade adequada? A resposta é de Dariush Mozaffarian, concordando com o relato, os americanos de fato consomem muito sal, chegando a até 4g de sódio. Enquanto ninguém discorda de que número deveria ser bem menor, não há um consenso em qual é a quantia ideal, que atualmente varia entre 1,5 e 2g.

A fonte de todo esse sódio não vem apenas do sal puro, que condimenta os alimentos, e sim de todos os tipos de alimentos processados e industrializados. A principal é mesmo o pão, e a segunda é o frango: as companhias injetam sódio no frango que é pré-preparado, para que ele fique suculento e saboroso. Então comidas que tem gosto salgado, como batatas fritas e nozes condimentadas, na verdade tem uma quantidade de sódio relativamente baixa. A maior parte do uso do sódio é para a preservação, para que você compre um pão e ele possa ficar na sua bancada por duas semanas sem estragar, por exemplo. Outra função é de mascarar gostos, como de carne requentada em refeições congeladas. E tudo isso pode ser reduzido; em termos do gosto salgado, uma reeducação do paladar é muito simples, dentro de algumas semanas comidas preparadas com pouco sal passam a ter o mesmo gosto do que quando feitas com muito, e o verdadeiro sabor dos alimentos se sobressai.

O professor aponta que, ao contrário do açúcar, que ainda possui qualidades resgatáveis em relação ao sabor, podendo ser adicionado em pequenas quantias aqui e ali, o sódio realmente é usado indiscriminadamente, sem levar as consequências em consideração. JoAnn Manson, chefe da Divisão de Medicina Preventiva do Hospital da Mulher de Brigham e professora de medicina da Escola de Medicina de Harvard, adiciona que além das políticas de regulamentação da indústria, que obviamente são muito importantes, também é necessário que haja transparência nas etiquetas e embalagens, com a quantidade de açúcar, e porcentagem de grãos integrais ou refinados. Inclusive na parte da frente, para que haja visibilidade para que o consumidor, quando estiver comprando, possa facilmente identificar os itens mais benéficos nas prateleiras. Isso até acabaria pressionando a indústria alimentícia a produzir produtos que sejam mais saudáveis, já que os consumidores poderão vê-los tão facilmente, além de saberem que existem outras opções.

E realmente, completa Amanda, se eles forem obrigados a colocar todas as informações nutricionais na embalagem, não poderão mais enganar as pessoas, escondendo fatos e dados importantes sobre seus alimentos. Essa é a razão pela qual que está em debate uma nova tabela nutricional, que indicaria a quantidade de açúcares adicionados nos produtos, o que ajudaria os consumidores e pais a fazerem decisões de compra mais conscientes.

Fonte: http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/2014/03/24/sugar-salt-and-supplements-sorting-out-the-science/

Açúcares, Sal e Suplementos: desvendando a ciência – Parte 1.

Captura de Tela 2014-05-12 às 11.28.49

Já teve problemas tentando acompanhar os “certos e errados” do consumo de sódio, açúcar, vitaminas e outros suplementos? Você não está sozinho. Neste painel, apresentado pelo Fórum da Escola de Saúde Pública de Harvard e colaboração com o Huffington Post, experts da Harvard explicam as considerações mais recentes sobre nutrição e da dicas de o que os consumidores podem fazer para melhorar suas dietas. O painel também comenta alguns aspectos de políticas americanas que ajudam os cidadãos do país a consumirem refeições mais saudáveis e acessíveis.
Clique na imagem e confira o vídeo, ou acompanhe a transcrição abaixo.

Essa é uma série que será composta de quatro posts, divididos pelos assuntos: açúcar, sódio, suplementos, e  alguma medidas de solução para esses problemas.

Eles começam o debate com um vídeo que mostra a quantidade de açúcar que realmente está presente nos sucos “saudáveis” que estão em alta nos Estados Unidos, e compara esse número com a quantidade de bolachas que ele representa.

Amanda Chan, a representante do Huffington Post, inicia os questionamento, e menciona a proposta da Organização Mundial de Saúde de ter o consumo de açúcar reduzido de 10% das calorias diárias ingeridas, como atualmente, para menos 5%. Ela então questiona Frank Hu, professor de nutrição e epidemiologia da Escola de Saúde Pública de Harvard sobre como seria essa quantidade em uma dieta. Hu começa sua fala apontando como é interessante ver quanto açúcar existe na nossa dieta, e apesar de parecer que as bolachas tem menos açúcar que os sucos indicados, elas ainda não são saudáveis. O professor inicia seu primeiro tópico, “o quão doce é a dieta americana?”, sendo que a resposta mais simples é “doce demais”. Americanos em geral consomem 15% das suas calorias diárias através de açúcares adicionados aos alimentos, sem levar em conta os açúcares que já estão naturalmente presentes nos mesmos. Isso equivale a 22 colheres de chá de açúcar.

Assim, não há dúvidas de que se consome muito mais açúcar do que o devido. A verdadeira pergunta é: quais são as consequências disso para a saúde? A ciência tem estudos e provas de que esse açúcar em excesso tem muita influência em doenças como diabetes, hipertensão e até doenças do coração. Ele não é apenas ruim para seus dentes, mas também para seu peso e seu coração. Estudos que ele publicou com colegas do Centers for Disease Control and Prevention mostram que pessoas que consomem mais do que 10% das calorias diárias através de açúcares adicionados tem 40% a mais de chances de morrer de doenças do coração. Portanto o risco proveniente do consumo exagerado de açúcar não é trivial, e análises prévias mostram que bebidas adoçadas aumentam o risco de obesidade, e apenas uma lata de refrigerante aumenta em 25% as chances de desenvolver diabetes tipo 2. Então, o que se pode fazer para mudar isso? Frank diz que não é fácil mudar nossos hábitos em relação ao açúcar, uma vez que todos gostamos de comidas doce, e que as quantidade de açúcares adicionados pelos fabricantes está aumentando. Então o que precisamos são ações governamentais e voluntárias da indústria alimentícia, para reduzir a quantidade de açúcares adicionados em seus produtos. Ele lembra o que Amanda mencionou no começo, sobre a proposta da OMS de redução da quantidade ideal de calorias diárias provenientes do açúcar, de 10% para 5%, e que isso seria o equivalente a 8 colheres de chá, que por sua vez seria equivalente a quase dois potes de iogurte, como aponta Amanda, ou a apenas uma lata de refrigerante. A curto prazo, Hu admite, é uma meta um pouco ambiciosa e desafiadora, uma vez que o consumo diário já chega a 15%, ou seja, com uma lata de refrigerante você já esgotou sua cota; mas a longo prazo é um objetivo atingível, embora precisará de muito esforço, não só das pessoas, como também dos governos e da indústria de alimentos, e reduzir o açúcar de bebidas adoçadas já um passo importante na melhoria de qualidade das dietas. Lembrando que apenas essa redução não irá resolver de vez o problema de obesidade, mas que já é bom começo para a melhoria da alimentação.

Chan pergunta se esses açúcares adicionados de que ele fala são processados de forma diferente pelo nosso corpo do que os açúcares naturalmente presentes nos alimentos, como a frutose, por exemplo. A resposta de Hu é que sim. A maioria do açúcar que consumimos são açúcares adicionados, e bebidas adoçadas contribuem com 50% dessa quantidade, sem contar o açúcar presente em praticamente todos os alimentos que consumimos. Os açúcares naturais, presentes em frutas e vegetais, principalmente a frutose, são absorvidos e metabolizados de forma bem diferente do que os açúcares acrescentados em alimentos industrializados; a frutose presente na fruta é absorvida bem mais lentamente do que o açúcar de uma bebida, e não influencia tanto no aumento de açúcar ou insulina no sangue. Em estudos recentes foi descoberto que o consumo de frutas inteiras na verdade diminui o risco do desenvolvimento de diabetes, enquanto o consumo de sucos integrais prontos chamados de “100% fruta”, como os mostrados no começo do vídeo, na verdade aumentam o risco da doença. Então cabe a nós distinguirmos os açúcares naturais das frutas, e os que são incorporados em nossos suprimentos. A próxima dúvida de Amanda é como esses açúcares se disfarçam nos alimentos do dia a dia, como grãos refinados, os quais as pessoas não percebem que viram açúcar em seu organismo.

Quem responde agora é Dariush Mozaffarian, professor associado da Divisão de Medicina Cardiovascular do Hospital da Mulher de Brigham e da Escola de Medicina de Harvard. Ele diz que, para ele, esse é um ponto em que medidas governamentais na verdade podem iludir as pessoas, e levar a decisões paradoxais e perigosas para a saúde. Claramente a digestão muito rápida desses açúcares industriais não é saudável, quando a absorção dos açúcares naturais é bem mais lenta, então esse reconhecimento não é tão problemático. O que tem que ser entendido é que há quase nenhuma diferente entre comer uma tigela de balas, um pão e uma tigela de cereal integral. O perigo de se focar apenas no açúcar isoladamente é que existem alimentos, como os feitos com grãos integrais e outros ingredientes saudáveis e que tem um pouco de açúcar adicionado, podem passar a ser vistos como escolhas ruins, quando comparados a outros produtos, que contém menos açúcar externo, mas que são repletos de carboidratos e amidos refinados. Se o açúcar, como Frank mencionou, é 15% das calorias diárias, os grãos e amidos refinados, e carboidratos pobres são quase metade delas. A razão de não haver diferença é que, quer você coma um pedaço de pão, uma porção de arroz ou um pouco da maioria dos cereais matinais, todos começam a ser digeridos imediatamente na boca, e os carboidratos complexos, que são apenas longas cadeias de glucose, são quebrados na hora, e quando chegam no estômago você acaba tendo as mesmas elevações de açúcar no sangue. E enquanto Mozaffarian concorda que a quantidade de açúcar consumida atualmente é muito grande, a redução deve ser feita de forma conjunta com os carboidratos refinados presentes nos alimentos. Afinal, ele reforça, existem muitos produtos integrais, que são saudáveis e tem um pouco de açúcar adicionado, enquanto também existem os produtos cheios de carboidratos refinados que não tem nada de açúcar adicionado e que são ruins para as pessoas. Então se essas propostas se limitarem ao açúcar, podem ser ilusivas.

Fonte: http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/2014/03/24/sugar-salt-and-supplements-sorting-out-the-science/

Novo tomate é enriquecido com substância que previne doenças degenerativas.

shutterstock_109356128

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) criou um tomate enriquecido com carotenoide licopeno, substância que confere a cor vermelha ao alimento e previne doenças. O licopeno é considerado um dos mais eficazes antioxidantes na precaução de enfermidades degenerativas e cardíacas.

De acordo com dados da Embrapa, enquanto um tomate comum tem de 30 a 40 miligramas de licopeno por quilo, a nova variedade possui 114 miligramas por quilo.
Chamado de BRS zamir, o novo tomate é do tipo cereja e atende o segmento de culinária gourmet pelos balanceados teores de açúcar e acidez. O fruto foi produzido pela Embrapa Hortaliças, em Brasília, e representa uma nova linhagem de tomates nutricionalmente enriquecidos, ao mesmo tempo em que conserva os atributos característicos do segmento “”grape”” (aspecto, paladar e coloração). “

​A demanda por tomates do tipo gourmet tem crescido no Brasil. “O desempenho do BRS zamir, tanto na conservação pós-colheita como na produtividade, comprovado em testes realizados em Goiás e São Paulo, colocam esse híbrido entre os melhores materiais genéticos em termos de desempenho agronômico””, afirma o pesquisador Leonardo Silva Boiteux, coordenador do Programa de Melhoramento de Tomate do Centro de Pesquisa. “Essas características fazem desse tomate um dos mais saborosos dentro do segmento ‘grape’.”

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude

Dieta rica em proteína pode encurtar a vida, diz estudo.

shutterstock_138421859

Uma dieta rica em proteína animal – ou seja, com muita ingestão de carne, ovos, leite e queijo – pode encurtar a vida de uma pessoa e ser tão prejudicial à saúde quanto fumar, concluíram pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia, em Los Angeles, nos Estados Unidos. De acordo com esse estudo, o risco de mortalidade é maior em pessoas de até 65 anos.

A pesquisa se baseou nos dados de 6.831 adultos que haviam participado de um estudo nacional de saúde nos Estados Unidos. Os autores analisaram a relação entre hábitos alimentares e risco de morte entre os voluntários. As conclusões foram publicadas nesta terça-feira no periódico Cell Metabolism.

Segundo os resultados, os participantes na faixa dos 50 anos que consumiam muita proteína (mais de 20% das calorias totais ingeridas no dia) tiveram um risco quatro vezes maior de morrer por câncer ou diabetes e o dobro de chance de morte por qualquer outra causa em um período de 18 anos em comparação com quem ingeria menos proteína.

No entanto, os pesquisadores perceberam que esses efeitos nocivos podem ser reduzidos – e até eliminados – quando a proteína consumida na dieta vinha principalmente de fontes vegetais, como do feijão e de leguminosas.

Diferença de idade — Os pesquisadores ainda descobriram que os efeitos da alta ingestão de proteína são inversos em pessoas com mais de 65 anos. De acordo com o estudo, quem come muita proteína nessa faixa etária pode reduzir em 28% o risco de morte por qualquer causa e em 60% o risco de morte por câncer em um período de 18 anos.

O estudo intensifica o debate em torno de dietas famosas que recomendam a ingestão de muita proteína e pouco carboidrato, mostrando que esse tipo de alimentação pode ter graves consequências à saúde a longo prazo.

Consumo ideal — Valter Longo, diretor do Instituto da Longevidade da Universidade do Sul da Califórnia, disse ao jornal britânico The Guardian que uma pessoa deve consumir até 800 miligramas de proteína para cada quilo de seu peso corporal. Ou seja, quem pesa 60 quilos deve ingerir, no máximo, 48 gramas de proteína por dia, o equivalente a um pedaço de frango. Segundo ele, a proteína deve representar entre 9% e 10% das calorias totais ingeridas num dia, e o ideal é que a maior parte seja de origem vegetal.

Como a pesquisa é observacional – ou seja, baseada em estatísticas, sem comprovar de que forma a proteína afeta o organismo – é preciso cautela na hora de interpretar os resultados. Outros estudos mais aprofundados, com pesquisas clínicas, ainda precisam ser feitos para comprovar essas conclusões.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude