Efetividade do ferro bisglicinato quelato em achocolatado no controle da deficiência de ferro em pré-escolares.

RODRIGUES, J.E.F.G.; PINEDA, O; NAME, J.J.; SANCHEZ, J.G.
1.Brazilian Soc. Food Nutr., São Paulo, SP, v. 31, n.1, p.43-52, abr.2006

minerais quelatos

A anemia causada pela deficiência de ferro, denominada anemia ferropriva, é o desvio nutricional de maior prevalência em todo o mundo, devido, principalmente, à baixa ingestão de ferro de alta biodisponibilidade (DEMAEYER et al., 1989). Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), dois bilhões de pessoas (equivalentes a 35% da população mundial), são afetadaspela deficiência de ferro, e estima-se que 1/3 dos ferro-deficientes apresentam manifestações clínicas desse distúrbio (ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD, 1996).

No Brasil, um levantamento feito em 20 capitais revelou que metade das crianças, com idade inferior a 3 anos, tinha anemia. As crianças com estado nutricional mais grave foram encontradas no Nordeste, onde a anemia atingia 49% delas. Na região Norte, Centro-Oeste e Sul, a prevalência de anemia foi 29,5%, 51% e 48%, respectivamente (FISBERG et al., 2000).

Estudo

Um estudo desenvolvido na Instituição Assistencial Núcleo Batuíra – Guarulhos, SP, avaliou o efeito de uma bebida achocolatada fortificada com Ferrochel Albion (Ferro Bisglicinato Quelato) no controle da deficiência de ferro em pré-escolares, sendo que:

  • 157 crianças, com idade entre 3 e 6 anos, consumiram, durante 3 meses, bebida láctea achocolatada fortificada com 1,5 mg de Ferro elementar (15% da IDR/100mL, de acordo com a Portaria n. 31 de 1998) na forma de Ferrochel Albion;
  • A bebida foi oferecida em embalagem UHT, durante os lanches realizados na instituição, de segunda a sexta feira;
  • Para avaliar a efetividade da intervenção, foi realizado hemograma completo e dosagem de ferritina no momento inicial e após 3 meses de ingestão da bebida fortificada;
  • O ponto de corte determinado para deficiência de ferro foi de 12 g/dL.

Resultados e Discussão

Os valores de ferritina (p=0.0004) e de eritrócitos (p<0.001) apresentaram aumento estatisticamente significativo, como é possível perceber na tabela 1. Pode-se observar, também, o efeito da intervenção nos níveis de hemoblobina (p<0,001), no gráfico abaixo (Figura 1).

Tabela 1. Média dos valores de ferritina e eritrócitos antes e após intervenção.

ferritinavalor

Gráfico. Média dos valores de hemoglobina antes e após intervenção dos grupos ferro-deficientes e ferro- limítrofes.Figura 1. Média dos valores de hemoglobina antes e após intervenção dos grupos ferro-deficientes e ferro- limítrofes

media dos valores de hemoglobina

O estudo realizado comprova que a absorção do Ferrochel Albion é mais rápida e em maior quantidade que a dos sais de ferro, possivelmente em decorrência de sua maior estabilidade no estômago e no intestino. Após a captação pela mucosa, a liberação do ferro para o plasma e para o resto dos tecidos corpóreos e órgãos é similar a qualquer outra fonte de ferro. A quantidade de ferro transferida para o organismo está diretamente relacionada às necessidades deste. A vantagem do Ferrochel Albion, frente a outros compostos, é a sua alta biodisponibilidade, permitindo que maiores quantidades de ferro sejam rápida e seguramente distribuídas aos tecidos que dele necessitam. Isso possibilita que pequenas quantidades desse composto assegurem importantes resultados fisiológicos (PINEDA; ASHMEAD, 2001).

Além disso, não foi relatado nenhum efeito colateral ou queixa por parte dos participantes e seus responsáveis, durante a intervenção. A aceitação do produto foi ótima e ele manteve-se estável durante todo o período de estudo, sem alterações organolépticas significativas.

Conclusão

A ingestão de bebida láctea fortificada com Ferrochel Albion exerceu efeito positivo na prevenção de anemia em crianças com idade pré-escolar. Além disso, a bebida láctea achocolatada demonstrou ser um excelente veículo para a fortificação com ferro bisglicinato quelato Albion, devido à estabilidade e à aceitação do público infantil.

Fonte:  Em Análise de estudos Em 17 de novembro de 2014

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s