Grãos pouco conhecidos no Brasil devem receber mais incentivo das indústrias

Sementes que podem ser usadas na alimentação e com alto índice nutritivo ainda são exploradas pelas indústrias alimentícias brasileiras de forma tímida e ainda pouco conhecidas pela maioria da população.

shutterstock_248256634

Os pseudocereais – amaranto, quinoa e farinha de sarraceno – são ricas em vitamina E e reduzem o colesterol no organismo, mas ainda são pouco usados na culinária brasileira. “O objetivo da palestra é apresentar a composição, processamento e produtos que podem ser desenvolvidos utilizando os pseudocereais. E, considerando o fato que estes grãos são pouco conhecidos no Brasil, o objetivo é considerar que estes cereais têm para a nutrição para a saúde humana e a possibilidade de utilização na nossa alimentação. Tanto a quinoa como o amaranto já são pesquisados no Brasil há mais de 30 anos e estão no nosso mercado há 10 anos, mais ou menos. Mesmo assim, ainda são pouco consumidos e conhecidos pelos brasileiros. Um dos motivos é o custo. Esta foi o estudo apontado por Vanessa Dias Capriles, pesquisadora da Unifesp, uma das palestrantes do LACC3.

Vanessa explicou que há várias possibilidades de utilizar estes grãos no dia a dia de forma semelhante ao trigo, arroz, milho, já que os pseudocereais podem ser processados de várias formas para a obtenção de nutrientes. Segundo ela, dá para fazer pipoca, usá-los inflados, em forma de flocos, com aromas diferentes, adicionar outros ingredientes, na formulação de granola, em barra de cereais, biscoitos, bolos e pães. “Já fizemos pão sem utilizar a farinha de trigo. Se comprar amaranto em grãos no mercado, dá para moer no liquidificador – não precisa de um processo tecnológico sofisticado. Dá para usar para fazer pães, bolos, panquecas, massas. As possibilidades são muitas. É só substituir 1/3 da farinha de trigo que seria usada nestas produções. Fica um produto gostoso que as pessoas podem incorporar no dia a dia normalmente”, explica ela, lembrando que os três cereais têm um grande potencial para a saúde, com fibras e minerais. As novidades, no entanto, não param por aí: Outra novidade que já está bastante difundida em outros países da América Latina – principalmente Bolívia e México – são as bebidas fermentadas à base destes grãos. A cerveja sem glúten é uma das opções para os celíacos.

“Esta oferta é que limita a procura do produto no Brasil, apesar de hoje o consumidor estar muito interessado em nutrição, em saúde e bem-estar. Por isso que eles estão no mercado, mesmo que de uma forma muito tímida. A gente vê que a indústria já está incorporando estes grãos na formulação de alguns alimentos. Já encontramos pães com amaranto, quinoa, granola e alguns outros produtos, mas a quantidade que estes pseudocereais são utilizados ainda é muito baixa, aponta a especialista. Segundo ela, a situação do trigo sarraceno ainda é mais dramática porque ele já é cultivado no Brasil há mais de 80 anos e é muito difícil encontrar este produto no mercado nacional. Em alguns mercados da região sul até se encontra na produção da agricultura familiar porque faz parte da alimentação de alguns imigrantes poloneses, ucranianos, russos que usam na culinária tradicional, mas é rara a comercialização em supermercados. “E, infelizmente, ainda são caros. Isso ocorre porque ainda não tem uma grande demanda. Se é caro, uma coisa fica presa a outra. Por isso destaco a importância do desenvolvimento de ações tanto na pesquisa quanto no desenvolvimento envolvendo toda a cadeia produtiva para aumentar a quantidade destes grãos ou entender melhor como processá-los, como adaptarmos ao hábito de consumo dos brasileiros, e este maior desenvolvimento de produtos para que eles fiquem com o custo mais acessível e, de fato, possam ser consumidos pela população. Hoje o consumo fica restrito à população de melhor poder aquisitivo, ou seja, à população de fato”, pondera.

 

Fonte: Portal do Agronegócio

Uma resposta em “Grãos pouco conhecidos no Brasil devem receber mais incentivo das indústrias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.