Inovação: mercado de sementes orgânicas começa a crescer no Brasil

Inovação: mercado de sementes orgânicas começa a crescer no Brasil

“Temos observado o interesse de empresas produtoras de sementes de países europeus em iniciar a produção e a comercialização no Brasil”, informa Luiz Carlos Demattê Filho, coordenador geral do Centro de Pesquisas da Fundação Mokiti Okada.

Especialistas afirmam que produzir sementes orgânicas no país pode ser um bom negócio. “Acreditamos muito no potencial desse mercado”, afirma Demattê Filho. Porém, ele observa que ainda há muitos desafios até que seja estruturado um ambiente onde os produtores possam encontrar, com relativa facilidade, as sementes orgânicas.

“Em primeiro lugar, é preciso dispor de mais incentivos à pesquisa e ao desenvolvimento de materiais adequados às proposições da agricultura orgânica. Também precisamos estabelecer um marco regulatório mais favorável às iniciativas neste campo, e nisso há sempre a necessidade de um trabalho mais colaborativo entre o setor público, a sociedade e as iniciativas privadas”, salienta o coordenador.

Ao chamar a atenção para a importância da regulamentação do ambiente de produção e comercialização, Demattê Filho ressalta que “a falta de regras mais claras inibe, de maneira óbvia, as ações potencialmente favoráveis”.

O pesquisador científico Sebastião Tivelli, que atua como chefe de seção técnica na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, afirma que as sementes orgânicas já são um bom negócio em outros países, e prometem movimentar o mercado brasileiro.

“Em junho deste ano uma empresa holandesa, com distribuição de sementes em mais de cem países, irá lançar as suas sementes orgânicas no Brasil”, anuncia Tivelli. Ele cita ainda outras iniciativas em andamento, destacando o papel da Associação Biodinâmica e o do próprio Centro de Pesquisas Mokiti Okada no que se refere à produção de sementes.

Para Demattê Filho, explorar esse setor não é uma tarefa simples. “É preciso favorecer o desenvolvimento de mercados locais e dos chamados ciclos curtos de comercialização. Penso que o sucesso desta atividade estará na variabilidade e oferta de materiais adaptados a condições locais, e mais do que estarem simplesmente ‘adaptados’, possam efetivamente expressar diferenciais de cor, sabor, resistência a desafios de todo tipo”, argumenta o especialista.

Ele acredita que “tais condições, na medida em que sejam mais valorizadas pelos consumidores, promoverão de forma segura o florescimento de pesquisas e inovações que darão a base de sustentação para o sucesso, inclusive comercial, de empresas e demais iniciativas”.

No entanto, existem obstáculos obstáculo: as sementes orgânicas demandam um custo maior de produção. “Esta é, sem dúvida, a maior questão. É um problema cíclico. O produtor tem de pagar mais pela semente orgânica, pois ela efetivamente custa mais para se produzir. A falta de tecnologias e de materiais mais adaptados provoca este aumento de custos. Desta forma, o produtor continuará optando pelas sementes convencionais, pois a oferta é maior, a variedade é também maior e o preço menor”, explica o coordenador da Mokiti Okada.

Nesse sentido, proibir o uso de sementes convencionais seria uma possível solução? Demattê Filho acredita que não. “No estágio atual, uma resolução como essa poderia colapsar a maior parte da produção orgânica do país. Por isso, é um tema delicado e precisa ser tratado com paciência e com aplicações de estratégias adequadas”, destaca. “Volto a dizer que, do meu ponto de vista, o melhor a fazer neste momento é estabelecer marcos regulatórios mais nítidos para os agentes e com uma perspectiva de evoluir a cada ano para um maior uso de materiais certificados”.

Projeções à parte, os especialistas concordam que os produtores, ao utilizar sementes orgânicas certificadas, contribuem para garantir um modelo eficiente de agricultura sustentável. “É um grande passo no sentido de avançarmos para modelos capazes de responder à demanda crescente de consumidores por produtos livres de agrotóxicos e com menor impacto ambiental e social”, aponta Demattê Filho.

Ainda no quesito ‘vantagens’, Tivelli salienta que os produtores, além de contar com sementes de cultivares desenvolvidas para o sistema orgânico de produção, têm à disposição sementes adaptadas para as condições agroecológicas de seu sítio; não têm contato com os agrotóxicos utilizados no tratamento das sementes; e não precisam produzir suas próprias sementes, pois terá no mercado similares com pureza, vigor e garantia de germinação.

Fonte: Sebrae Inteligência Setorial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s