Leite que não causa alergia: melhoramento genético pode ser a saída

Leite que não causa alergia: melhoramento genético pode ser a saída

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, unidade Gado de Leite (Embrapa Gado de Leite) está desenvolvendo trabalhos de melhoramento genético em parceria com as associações de criadores das raças Gir Leiteiro e Girolando, para a produção de leite A2, produto indicado para pessoas que possuem alergia, que correspondem a 30% das proteínas do leite.

A tendência é de que os pecuaristas invistam na seleção do rebanho, uma vez que o leite diferenciado tem pouca oferta e alto valor de mercado.

De acordo com as informações da Embrapa, a Alergia à Proteína do Leite de Vaca (APLV) é uma enfermidade mais observada na infância. Dados da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) mostram que cerca de 350 mil indivíduos no Brasil são alérgicos e precisam eliminar o leite de vaca da dieta. O leite A2 pode ser uma opção para os consumidores, uma vez que a betacaseína é a principal causadora da APLV.

Segundo o pesquisador em Genômica e Melhoramento de Animais da Embrapa Gado de Leite, Marcos Vinicius Barbosa da Silva, o projeto vem sendo desenvolvido há cerca de 4 anos. Nas avaliações dos touros, são feitas análises para identificar o genótipo para a beta-caseína tipo A2. Esta informação é publicada nos sumários das raças Gir e Girolando, e facilita o processo de melhoramento genético do rebanho, caso o produtor queira produzir leite A2.

O pesquisador da Embrapa Gado de Leite, João Cláudio do Carmo Panetto, explica que para a produção do leite A2 o ideal é que tanto o touro como as vacas tenham os alelos A2A2, o que garante que 100% das filhas serão produtoras de leite não alergênico. Por isso, é necessário que o pecuarista faça a genotipagem das fêmeas.

“Se uma vaca tem o genótipo A2A2, é garantido que ela passará para a progênie o alelo A2. A genotipagem da vaca é feita com a coleta de tecido biológico do animal, que pode ser uma amostra do pelo. O material é analisado em laboratório especializado que apresentará o resultado ao produtor de acordo com o tipo. Depois, basta escolher o sêmen adequado, cujas informações estão presentes nos sumários dos touros Gir leiteiro e Girolando”, explicou Panetto.

A indicação é que os pecuaristas que decidam investir na produção de leite A2 descartem os animais que não sejam A2A2, o que ajuda a acelerar a seleção genética do rebanho e garante a produção de 100% do leite do tipo A2.

No País, a produção do leite alergênico é considerada rentável. Por ter uma oferta restrita e alta demanda, o preço do litro de leite chega a R$ 8, enquanto o leite tradicional é vendido, hoje, em torno de R$ 1.

 

Fonte: GuiaLat

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s