Tecnologia estuda como plantas podem resistir mais ao calor

Tecnologia estuda como plantas podem resistir mais ao calor

Agora no verão, o estresse por calor é um grande problemas para a agricultura e pode reduzir significativamente a produtividade dos cultivos.

Mesmo pequenos acréscimos de temperatura podem afetar o crescimento das plantas e o seu desenvolvimento. Até hoje, os mecanismos com os quais as plantas sentem e respondem a esse estresse não está totalmente compreendido.

Entender como as plantas respondem ao estresse do calor é crucial para desenvolver cultivos que podem aguentar as temperaturas em aumento e as mudanças climáticas. Como consequência, muitas pessoas têm trabalhado por muitos anos para tentar entender como as plantas sentem a temperatura e como as plantas usam essa informação para ativar os caminhos químicos para proteger-se através da fabricação protetiva de proteínas de choque de calor.

É conhecido desde 1939 que a resposta das plantas ao estresse flutua entre o dia e a noite – se for aplicado estresse ao calor a uma planta durante a metade do dia, é mais provável que ela sobreviva ao mesmo estresse de calor do que a noite. O ciclo diário das plantas é uma estratégia que protege plantas dos períodos mais quentes do dia, enquanto potencialmente previne a energia de ser desperdiçada produzindo proteínas de choque de calor à noite quando está mais frio.

Outros estudos confirmaram que a resistência ao calor é desencadeada em plantas quando são expostas a luz. Eles perdem esta propriedade de resistência ao calor e reganhará a proteção exposto à luz outra vez. No entanto, a sinalização envolvida em contar a planta ao ativar os genes para fabricarem as proteínas de choque ao calor permaneceram um mistério.

Patrick Dickinson, que se juntou ao Laboratório Sainsbury da Universidade de Cambridge como estudante de doutorado, se interessou pelo tema. Ele descobriu que um número de genes conhecidos por estarem envolvidos na formação do cloroplasto também tivera um grande efeito na resposta das plantas a altas temperaturas.

Colocando essas duas peças do quebra-cabeça juntas faz com que as plantas respondam melhor ao estresse durante a luz do dia, apontando ao cloroplasto na reação à luz, que então ativa o gene de expressão do núcleo para fazer a planta resistente ao calor.

Fonte: AgroLink

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.