Estudo foca na carne processada e o que ela causa à saúde

Estudo foca na carne processada e o que ela causa à saúde

Há anos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a redução do consumo de carne vermelha, como de porco e boi, e processada, como bacon e linguiça, como forma de prevenir câncer e doenças cardiovasculares. A orientação é ingerir apenas três porções semanais desses alimentos. Diante disso, vários países têm diretrizes semelhantes.

Na Inglaterra e no Brasil, por exemplo, órgãos nacionais de saúde orientam que a população coma no máximo 500 gramas de carne vermelha e/ou processada por semana – o equivalente a 70 gramas diárias. Outras entidades ainda aconselham o corte no consumo de carne por questões ambientais, uma vez que a criação de animais colabora para o aquecimento global. No entanto, uma controversa revisão de estudos publicada na segunda-feira no periódico científico Annals of Internal Medicine indica que essas recomendações são exageradas.

Segundo os novos dados, a maioria das evidências divulgadas até agora sobre os problemas de saúde causados pela carne vermelha, como câncer, diabetes e doenças cardíacas, não é forte o suficiente para recomendar a redução no consumo. Portanto, adultos devem continuar ingerindo a mesma quantidade de carne que estão acostumadas.

“Para a maioria das pessoas – não todas – continuar com o consumo de carne vermelha e processada é a abordagem correta”, disse Bradley Johnston, da Universidade Dalhousie, no Canadá.

De acordo com o pesquisador, o intuito da pesquisa é permitir que as pessoas tenham acesso a informações verdadeiras, possam fazer suas próprias escolhas e decidir quais riscos querem ou não correr com base em “evidências de alta qualidade”.

Os resultados foram recebidos com indignação por uma parte da comunidade médica. “Essa pesquisa é perigosa, pois sugere que as pessoas podem comer o quanto de carne vermelha quiserem sem aumentar o próprio risco de câncer. A mensagem que as pessoas precisam ouvir é que não devemos comer mais do que três porções de carne vermelha por semana e evitar carne processada por completo”, rebateu Giota Mitrou, do Fundo Mundial de Pesquisa do Câncer, ao The Guardian.

Já Tim Key, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, salientou que as evidências da relação entre a carne processada e o câncer de intestino são tão “substanciais” que o alimento está na lista de cancerígenos da OMS desde 2015. “Sugerir que não há necessidade de limitar esses alimentos coloca as pessoas em risco de câncer colorretal e mina ainda mais a confiança do público em conselhos alimentares”, disse Nigel Brockton, do Instituto Americano de Pesquisa do Câncer.

Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, também se manifestaram. “Essas recomendações são realmente irresponsáveis”, criticou Frank Hu, autor de um estudo recente publicado no periódico British Medical Journal que vinculava a ingestão de carne vermelha e processada a maior risco de mortalidade. Nas estimativas, foi possível notar uma redução de 7,6% no número de mortes quando as pessoas seguem as diretrizes internacionais. “Nos Estados Unidos, por exemplo, essa redução poderia evitar cerca de 200.000 mortes por ano. Essa é uma estimativa enorme”, destacou Hu à revista Time.

Outros pesquisadores ainda criticaram o grupo por ter desconsiderado os prejuízos da produção de carne vermelha para o meio ambiente.

Fonte: Veja saúde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.