Chocolate com menos açúcar!

Imagem

Chocolate com menos açúcar!

A Nestlé, o maior grupo mundial de alimentos processados, anunciou uma nova tecnologia que permitirá reduzir em até 40% o açúcar em chocolates e outros produtos de confeitaria, sem afetar o sabor.

Continuar lendo

Uma alimentação saudável pode evitar a depressão

shutterstock_236017666

Um novo estudo, publicado recentemente na revista científica BMC Medicine, revelou que uma dieta rica em vegetais, legumes, peixes, castanhas e nozes pode ser grande aliada para evitar a depressão. Além disso, de acordo com a pesquisa, é essencial evitar o consumo de carnes processadas e alimentos de redes de fast food.

Os pesquisadores da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria, na Espanha, acreditam que a relação entre alimentação saudável e redução no risco de depressão pode ser explicada pelo fato de que o alto consumo de micronutrientes como vitamina B, ácido fólico e zinco, estimulam a saúde do cérebro. Uma alimentação menos nutritiva, contudo, pode causar mais riscos de desenvolver a doença.

Para realizar o estudo, os pesquisadores perguntaram a 15.000 universitários espanhois, sem diagnóstico de depressão, como era o hábito alimentar de cada um deles. Oito anos depois, foi descoberto que 1.550 participantes utilizavam antidepressivos ou foram diagnosticado com a doença.

A partir das informações coletadas, os autores do estudo descobriram que aqueles que mantiveram uma alimentação saudável apresentaram um risco até 30% menor de depressão, em comparação com aqueles que se consumiram alimentos menos saudáveis.

Fonte: Veja Saúde

Alimentação Balanceada.

shutterstock_98609432

É sempre bom falar de alimentação balanceada, já que gera muitas polêmicas.

Fala-se muito que a alimentação balanceada é essencial para se ter saúde e bem-estar. E que desta maneira previne-se diversos males decorrentes da má alimentação, como colesterol e triglicérides, por exemplo, além de ajudar a manter a forma, garantir a longevidade e disposição. Mas na prática, você sabe como ter uma alimentação saudável?

Basicamente, para ser considerada balanceada, a alimentação deve conter alimentos de diversos tipos como: carne, verduras, legumes, arroz, macarrão, feijão, frutas, leite e derivados, e até mesmo gordura e açúcar, e atender às necessidades nutricionais do indivíduo. Esses alimentos se dividem em grupos alimentares, abaixo você vai saber quais são esses grupos, a freqüência com que devem ser consumidos, suas funções e os alimentos que compõe cada um deles.

Grupo dos Cereais

Neste grupo estão presentes os principais alimentos fonte de carboidratos, como: arroz, batata, macarrão, mandioca, pães, biscoitos, farinhas e massas em geral.
Principal fonte de energia, todas as refeições devem ter pelo menos 1 alimento desse grupo.

Grupo das Frutas

A mais importante função deste grupo é fornecer vitaminas e minerais, nutrientes essenciais para proteção da saúde e diminuição dos riscos de desenvolver doenças crônicas. Por isso, é recomendado o consumo diário de alimentos deste grupo.

Grupo das Hortaliças

Pertencem a este grupo alimentos como: alface, tomate, abobrinha, beterraba, agrião, escarola, brócolis, espinafre, chuchu, entre outros. Assim como o grupo das frutas, a principal função deste grupo é fornecer os minerais e vitaminas necessários para o bom funcionamento do nosso organismo. Eles também devem ser consumidos diariamente.

Grupo do Leite e Derivados

A este grupo pertencem o leite e todos os seus derivados, requeijão, todos os tipos de queijo e iogurtes. O consumo diário desses alimentos é essencial para se obter o cálcio responsável pela saúde dos seus ossos, além de fontes de proteína. Mas prefira sempre os alimentos com menos quantidade de gordura como: leites e iogurtes desnatados e queijos como ricota, minas, branco, etc.

Grupo da Carnes

Além das carnes bovinas, de frango e peixe, os ovos também pertencem a este grupo. É o grupo responsável por fornecer proteínas a nossa alimentação, além de vitaminas e minerais como ferro e vitamina B12. Recomenda-se o consumo diário de pelo menos um alimento deste grupo, dando sempre preferência a preparações assadas, cozidas ou grelhadas.

Grupo das Leguminosas

Alimentos como feijão, grão-de-bico, lentilha, soja e ervilha estão presentes neste grupo. Suas principais funções são fornecer proteínas de origem vegetal, gorduras insaturadas e vitaminas e minerais com funções antioxidantes. Por estes e outros motivos é importante que consuma pelo menos uma porção desses alimentos por dia.

Grupo das Gorduras

Pertencem a este grupo todos os óleos vegetais (azeite, óleo de soja, girassol, canola, etc), manteigas e margarinas, além de banha, toucinho, entre outros alimentos. As gorduras são fontes de energia, contém 9 kcal por grama, além de serem essenciais como veículo de vitaminas lipossolúveis e antioxidantes. Prefira sempre as gorduras de origem vegetal.

Grupo dos Doces e Açúcares

As maiores tentações pertencem a este grupo: bolos, tortas, chocolate, sorvete, açúcar, mel, balas, enfim, doces em geral. O açúcar também é fonte de energia, mas seu consumo deve ser moderado, pois o seu consumo excessivo está relacionado com o aumento de risco de obesidade e outras doenças crônicas não transmissíveis, como o diabetes.

Fonte: http://maisequilibrio.com.br/nutricao

A mania dos iogurtes.

shutterstock_178892915
Com tanta variedade de iogurtes nas geladeiras dos supermercados, será que você sabe mesmo quais são as melhores opções para sua saúde?A boa notícia é que a maioria dos iogurtes disponíveis no mercado é uma boa opção para o café da manhã e lanches ao longo do dia. Além de deliciosos, eles também são fontes naturais de cálcio e proteína. Mas, fique atento à tabela nutricional, alguns produtos apresentam mais nutrientes que outros. Para que fique mais claro para vocês, destacamos alguns pontos importantes de diferentes tipos de iogurte. Vem conferir!

  • Iogurte X Bebida Láctea

As bebidas lácteas apresentam aparência muito parecida aos iogurtes de garrafinha, mas, nutritivamente, eles não são iguais. A bebida láctea é uma mistura do leite com o soro do leite (um subproduto da produção do queijo), e também podem conter adição de gordura vegetal, leite fermentado, e outros produtos alimentícios como polpa de frutas e mel. Já o iogurte não apresenta adição de soro, sendo geralmente mais consistente que a bebida láctea. Na bebida láctea, pelo menos 51% dos ingredientes devem ser de origem láctea, enquanto que no iogurte, este valor sobe para 70%, sendo que os ingredientes não lácteos, como polpa de frutas, mel, etc, não podem ultrapassar os 30% do produto. Por este motivo, o iogurte costuma ser mais nutritivo, apresentando maiores valores de cálcio.

  • Integral, desnatado e semidesnatado

Essas três versões de iogurte também são muito comuns no mercado, mas, você sabe qual a diferença entre elas? De maneira geral, o que difere um tipo do outro é a quantidade de gorduras totais presentes no produto. De acordo com a legislação brasileira, para que um iogurte seja considerado desnatado, é preciso apresentar no máximo 0,5g de gorduras totais a cada 100g de produto. Já o semidesnatado (também conhecido como parcialmente desnatado), não deve ultrapassar 2,9g de gorduras totais a cada 100g de iogurte. Para os integrais, não há restrições!. Quanto aos outros nutrientes presentes nesses alimentos, as quantidades são muito semelhantes, por isso, fique de olho na tabela nutricional e escolha a opção com menor quantidade de gordura total.

  • Iogurte Grego

Eles surgiram há pouco tempo e já ganharam várias versões, sabores e adeptos. Por isso, a gente te conta o que você precisa saber sobre esse novo tipo de iogurte. Em geral, a grande quantidade de proteína é um fator importante e que conta pontos a favor do produto. Porém, a versão brasileira do iogurte grego é um pouquinho diferente da versão original. Nos países de origem desse alimento, os iogurtes passam por diversos processos de filtração que resultam em um produto com maior quantidade de proteína e pouca gordura. Aqui no Brasil o processo é um pouco diferente. Como o objetivo principal por aqui é a textura consistente e cremosa, alguns produtos sofrem adição de ingredientes como creme de leite e leite integral, o que aumenta a quantidade de gordura no alimento.

Mas se você é um grande fã dessa versão, se acalme, nem tudo está perdido. As versões light e zero oferecidas recentemente pelo mercado são excelentes opções para quem quer proteína e pouca gordura.

  • Frozen Iogurte

Esse sorvete feito à base de iogurte, quando comparado ao iogurte desnatado, apresenta maior valor calórico, porém, a quantidade de proteínas e gorduras totais são semelhantes. Mas se resolvermos comparar o produto a um sorvete normal, a quantidade de proteínas é maior. Quer outra boa notícia? Nesse caso, as quantidades de gorduras totais e de calorias são menores no frozen. Isso faz com que o frozen seja uma boa alternativa ao sorvete, já que também é muito gostoso, refrescante e possui um perfil nutricional mais equilibrado.

Apenas tome cuidado com os acompanhamentos que escolher. Evite opções muito calóricas e procure priorizar as frutas. Não custa nada também conhecer melhor o frozen que você está habituado a tomar. Procure saber quais as quantidades de açúcar e de gorduras presente no produto, já que as quantidades podem variar de acordo com as marcas do mercado.

Agora que você já sabe a diferença entre os tipos de iogurtes do mercado, fica mais fácil escolher dentre todas estas opções deliciosas! Os iogurtes vão super bem com frutas, grãos integrais, castanhas e até mesmo para molho de saladas. Use a criatividade e aproveite os benefícios destes alimentos!

Adesão de recomendações nutricionais pode prevenir câncer de mama.

shutterstock_120973240

Pesquisa publicada na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention demonstrou que houve redução de 60% no risco de desenvolvimento de câncer de mama em mulheres que aderem às recomendações sobre “Alimentos, Nutrição, Atividade Física e Prevenção de Câncer”, da World Cancer Research Fund e American Institute for Cancer Research (WCRF/AICR).

O objetivo do estudo foi investigar se a adesão das recomendações da WCRF/AICR, publicadas em 2007 para a prevenção do câncer, por mulheres na pós-menopausa, está associada à redução da incidência de câncer de mama.

Foram incluídas 30.797 mulheres na pós-menopausa, com idades entre 50-76 anos, sem histórico de câncer de mama, que foram acompanhadas durante 6,7 anos. Durante esse período, as participantes preencheram questionários que avaliavam a aderência de seis recomendações da WCRF/AICR (2007):

1-GORDURA CORPORAL: Seja o mais magro quanto possível dentro dos limites normais de peso corporal.

2-ATIVIDADE FÍSICA: Mantenha-se fisicamente ativo como parte da rotina diária.

3-ALIMENTOS E BEBIDAS QUE PROMOVEM O GANHO DE PESO: Limite o consumo de alimentos com alta densidade energética e evite bebidas açucaradas.

4-ALIMENTOS DE ORIGEM VEGETAL: Consuma principalmente alimentos de origem vegetal.

5-ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL: Limite o consumo de carne vermelha e evite carnes processadas.

6-BEBIDAS ALCOÓLICAS: Limite o consumo de bebidas alcoólicas.

Os pesquisadores observaram que o risco de câncer de mama foi reduzido em 60% nas mulheres que seguiram pelo menos cinco recomendações, em comparação com aquelas que não seguiram nenhuma (p<0,001). As análises estatísticas sugeriram que essa redução foi mais evidente para as recomendações relacionadas com a gordura corporal (mulheres com índice de massa corporal entre 18,5 e 24,9 kg/m2), alto consumo de alimentos vegetais (consumo de pelo menos cinco porções de frutas e/ou vegetais sem amido e também pelo menos uma porção de grãos integrais e/ou legumes por dia) e baixo consumo de bebidas alcoólicas.

“Este estudo é o primeiro a examinar a adesão às recomendações de prevenção do câncer da WCRF / AICR relacionados à gordura corporal, dieta e atividade física com uma redução substancial no risco de desenvolvimento de câncer de mama na pós-menopausa”, concluem os autores.

Fonte: http://www.nutritotal.com.br

Biodisponibilidade dos Alimentos.

shutterstock_145891655

A biodisponibilidade dos alimentos diz respeito à quantidade de nutrientes absorvidas e utilizadas pelo organismo. Isso porque nem todos os nutrientes consumidos são realmente utilizados, podendo existir interações entre substâncias ou entre os próprios nutrientes dos alimentos, que aumentam ou diminuem a utilização desses nutrientes.

Esses fatores são muito importantes, uma vez que a combinação entre os alimentos pode influenciar a biodisponibilidade de nutrientes essenciais para a saúde.

Na alimentação das crianças temos um exemplo clássico de baixa biodisponibilidade: o leite, que é um alimento muito comum nessa faixa etária, e é também uma importante fonte de cálcio, se consumido junto ou próximo à ingestão de alimentos fontes de ferro (carnes, vegetais verdes, beterraba e feijões), provoca diminuição da utilização do ferro. Como resultado, a criança pode apresentar anemia, devendo portanto essas duas fontes não serem consumidas juntas freqüentemente.

No entanto existem também as combinações positivas referentes à mistura de alimentos. O consumo de alimentos fontes de vitamina C (laranja, limão, acerola, tomate), juntos com alimentos fontes de ferro (carnes, vegetais verdes, beterraba e feijões), melhora muito a absorção desse mineral. Por isso, essa mistura é benéfica para o organismo, podendo curar e prevenir anemias.

A biodisponibilidade está relacionada a vários fatores:

1.Medicação: Alguns medicamentos possuem substâncias que interagidas com determinados tipos de nutrientes, diminuem a absorção dos mesmos. Por exemplo antibióticos e antiácidos diminuem a biodisponibilidade e minerais.

2.Interações nutricionais: É quando dois nutrientes competem entre sí e atrapalham a absorção de ambos. Por exemplo Cálcio e ferro, Fósforo e Magnésio.

3.Estado fisiológico: Algumas patologias depletam nutrientes em grandes quantidades, diminuindo sua biodisponibilidade. Por exemplo diarréia e febre que interferem nas quantidades de sódio e potássio.

4.Estado nutricional: Se a criança estiver desnutrida e com anemia, o transporte de nutrientes para o fígado é diminuído, sendo que esses nutrientes não chegam a seu alvo.

5.Ciclo vital: Em estados como de gestação e lactação, também ocorre depleção de alguns tipos de nutrientes, aumentando as necessidades nutricionais e diminuindo a biodisponibilidade.

Fonte: http://www.rgnutri.com.br

Alimentação saudável e equilibrada deve ter carboidratos e proteínas.

shutterstock_90221812

Os carboidratos e as proteínas são dois elementos básicos e importantes para a saúde que devem estar presentes no prato todos os dias para manter uma alimentação saudável e equilibrada. Restringir a dieta a apenas um deles ou consumi-los em excesso pode ser perigoso e fazer mal ao organismo, como alertou o endocrinologista Alfredo Halpern no Bem Estar desta quarta-feira (27).

Os carboidratos e as proteínas são dois elementos básicos e importantes para a saúde que devem estar presentes no prato todos os dias para manter uma alimentação saudável e equilibrada. Restringir a dieta a apenas um deles ou consumi-los em excesso pode ser perigoso e fazer mal ao organismo, como alerta o endocrinologista Alfredo Halpern.

Os carboidratos, por exemplo, são fontes primárias de energia e funcionam como combustível para o cérebro, medula, nervos e células vermelhas do sangue, ou seja, mantêm o corpo funcionando. Por isso, a deficiência deles pode trazer riscos para o sistema nervoso central e para o organismo, de maneira geral.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar