Efeitos do Iogurte sobre o controle do peso e doenças crônicas.

shutterstock_140684179

Há um crescente grupo de evidências ligando o consumo de iogurte com a melhora da saúde, e uma pesquisa adicional para identificar a ligação científica entre o iogurte e potenciais benefícios para a saúde está em andamento, dizem os cientistas. Especialistas internacionais em nutrição reuniram-se na First Global Summit on the Health Effects of  Yogurt (Primeira Conferência sobre os Efeitos Saudáveis do Iogurte) em Boston em 24 de abril de 2013 para apresentar a atual posição da ciência sobre os efeitos saudáveis do iogurte na saúde e identificar as lacunas das pesquisas que precisam ser observadas pela comunidade científica. O iogurte é uma excelente fonte de proteínas e nutrientes essenciais, como cálcio, potássio e magnésio, e também contém bactérias saudáveis (probióticos).

O perfi l nutriente único do iogurte tem estimulado pesquisas sobre seu impacto em diversos temas, como saúde óssea e intestinal, diabetes, controle do peso do corpo, câncer e doenças cardiovasculares. Muito do que é conhecido sobre os potenciais efeitos saudáveis do iogurte provêm de estudos que examinavam o consumo geral de laticínios, incluindo leite e queijo. Poucos estudos se concentraram exclusivamente no iogurte. O consumo de laticínios é associado com uma redução no risco de desenvolver algumas das doenças mais prevalentes da sociedade moderna, incluindo hipertensão, diabetes e câncer. A ingestão do leite fermentado e iogurte, especifi camente, tem sido associada a um risco reduzido de desenvolver câncer de bexiga, um menor risco de ataque e doença cardíaca e diminuição da pressão arterial. Vários estudos também têm demonstrado que o consumo de iogurte pode ajudar no controle do peso. Um estudo prospective sobre três coortes, envolvendo mais de 120.000 adultos americanos mostrou que o consumo de iogurte, frutas, legumes e grãos integrais foram associados com menor ganho de peso ao longo do tempo e o iogurte mostrou estar mais associado a isso. Outro estudo mostrou que o consumo de iogurte está relacionado com menor ganho de peso e menor aumento da circunferência da cintura ao longo do tempo. A First Global Summit on the Health Effects of Yogurt é parte da plurianual Yogurt in Nutrition Initiative (Iniciativa do Iogurte na Nutrição, YINI), uma parceria global entre a American Society for Nutrition (Sociedade Americana de Nutrição), Danone Institute International e Nutrition Society (Sociedade de Nutrição) do Reino Unido para avaliar a atual base de evidências sobre o impacto nutricional do iogurte. Através de conferências científi cas anuais e atividades de apoio, esta iniciativa pretende estimular novas pesquisas e transmitir informações científi cas disponíveis para profissionais da saúde e público. Durante a conferência, especialistas discutiram a necessidade de estudos que examinem os atributos específicos do iogurte à saúde, o papel ideal dos laticínios em uma dieta saudável e o efeito do iogurte em populações específi cas, como jovens e idosos. O Dairy Research Institute (Instituto de Pesquisa sobre Laticínios), localizados nos Estados Unidos, também fez parte desta conferência inaugural.

Fonte: http://www.nutrition.org/yogurt

Fibras ajudam no controle do peso e colesterol e são boas para o intestino.

shutterstock_72092914

Ter uma alimentação rica em fibras é muito importante para a saúde, principalmente para o intestino. Isso porque elas ajudam no funcionamento intestinal e podem até mesmo reduzir o risco de câncer. Além disso, elas fazem bem no controle do colesterol e do peso, já que aumentam a sensação de saciedade.

No entanto, os brasileiros ainda não têm esse hábito e consomem apenas 10 ou 15 gramas por dia, sendo que a recomendação ideal diária é o dobro, de 20 a 25 gramas. A nutricionista Cynthia Antonaccio e o cirurgião gastroenterologista Dan Waitzberg explicaram que é possível ingerir mais fibras sem ter que mudar radicalmente a alimentação.

Por exemplo, cereais como o farelo de trigo podem ser acrescentados no feijão, na sopa ou até mesmo no chocolate quente, como mostraram os especialistas. Já a chia combina com sucos, com ou sem água, e também vitaminas com leite batidas no liquidificador.

A quinua pode ser ingerida com risotos, cozida com ervilhas, cenoura e cheiro verde ou até mesmo com tabule. Saladas de fruta e de folhas, por exemplo, podem ser consumidas com gergelim e linhaça, também fontes importantes de fibras.

No caso da aveia, um dos cereais mais consumidos, a dica é acrescentar em iogurtes, leite, banana amassada, vitaminas e até mesmo no hambúrguer.

Todas essas mudanças podem parecer radicais a princípio, mas não chegam a causar grandes diferenças no sabor dos alimentos. De acordo com o cirurgião gastroenterologista Dan Waitzberg, vale lembrar que a aveia, além de ser rica em fibras, é especialmente rica em uma fibra solúvel chama betaglucano. Ela tem um poder muito importante na sensação de saciedade, que nos faz sentir satisfeitos com menos comida e nos faz comer menos.

Para comprovar isso, foi feita uma pesquisa na Faculdade de Medicina da Usp com 40 mulheres com sobrepeso ou obesidade, que depois de ingerir aveia por 6 semanas, começaram a se sentir mais satisfeitas ao longo do dia.

Por isso, os especialistas reforçam a importância de ingerir mais cereais e fibras, não só pelos benefícios à saúde, mas também para evitar o ganho de peso.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar