Curiosidades sobre a dieta da proteína.

shutterstock_178008005

Você pode até não conhecer por esse nome, mas temos certeza que você já ouviu falar ou até mesmo conhece alguém que já fez a dieta da proteína. Como o nome mesmo diz, ela consiste no consumo de proteínas e restrição de carboidratos com a promessa de uma rápida perda de peso. Mas será que tudo isso é balela ou funciona mesmo? Será que restringir alimentos faz mesmo bem à saúde? Nossas nutricionistas reuniram todas as informações que você precisa para manter sua saúde em dia e não cair em roubada.

Como funciona?

Quando a gente elimina o carboidrato, que é a principal fonte de energia para o nosso organismo, nosso corpo se sente “forçado” a utilizar as gorduras para suprir a necessidade desse nutriente.

Vale destacar que, nesse tipo de dieta, as proteínas como carnes vermelhas e brancas, ovos, embutidos, leites e derivados de leites, podem ser consumidas sem restrições, Em contrapartida, os carboidratos são vetados, portanto pães, massas, doces, cereais e algumas frutas e legumes ficam de fora.

Porém, como essas dietas não levam em conta a quantidade e nem a qualidade da proteína consumida, muitas vezes o valor calórico não é reduzido significativamente. Fazendo más escolhas e errando na quantidade, é possível que você acabe consumindo mais calorias do que consumiria em uma refeição completa, por exemplo.

E emagrece mesmo? É saudável?

De maneira geral, estas dietas apresentam resultados rápidos, que é o desejo da maioria das pessoas que buscam essas soluções mágicas. Mas é importante ficar atento. Por serem dietas muito restritivas, as alterações na balança nem sempre retratam perda de gordura. Como o organismo é obrigado a trabalhar com deficiência de nutrientes, é possível que a perda de líquido e massa muscular seja também responsável pela perda de peso. O que não é bom para sua saúde.

Sem um cardápio equilibrado e rico em todos os nutrientes que nosso corpo precisa, acabamos nos deparando a deficiências nutricionais que podem levar ao cansaço, baixa resistência imunológica, indisposição e irritabilidade. Ou seja, a médio e longo prazo, essas dietas podem ser prejudiciais à saúde.

Então, deixe estas soluções milagrosas de lado e vem com a gente do Movimento Comer Bem é Tudo de Bom em busca de um estilo de vida saudável, com alimentação variada e equilibrada e exercício físico regular.

Lembre-se: a melhor forma de perder peso é com saúde!

VOCÊ SABIA?

Os carboidratos são nutrientes essenciais, pois são responsáveis principalmente por fornecer energia ao corpo. O cérebro, por exemplo, é um órgão dependente de glicose (carboidrato) e por isso, a restrição deste nutriente pode comprometer o bom funcionamento do organismo. O ideal é não ter uma alimentação sem carboidrato, já que em geral, este nutriente deve constituir de 55 a 75% do valor calórico de uma dieta equilibrada e, por isso, os alimentos fonte deste nutriente deve ser realmente o principal constituinte de uma refeição.

Fonte: http://comerbemtdb.com.br/

Proteína está no topo da lista das tendências nutricionais.

shutterstock_126809132

No começo do ano, o The Wall Street Journal descobriu que os consumidores estavam comprando cada vez mais produtos que promovessem o teor proteínas. Essa tendência deverá continuar dominando o consumo de produtos lácteos também.

“A proteína do leite está posicionada positivamente como uma proteína de alta qualidade”, escreveu o Dairy Council of California. “A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) recentemente recomendou um novo método de medir a qualidade das proteínas, que mostra o perfil dos lácteos de forma ainda mais forte”.

A proteína é apenas uma das principais tendências no setor de alimentos em 2013. A cada ano, membros do Conselho de Lácteos da Califórnia identificam as 10 principais tendências de saúde e nutrição que impactarão na indústria de lácteos durante o ano, seja positivamente ou negativamente. Nesse ano, a lista do Conselho inclui:

– A proteína é um importante componente do alimento;

– O diagnóstico de diabetes está aumentando, mas os americanos podem ser proativos na prevenção e controle dessa condição perdendo peso, praticando atividades físicas e ingerindo alimentos saudáveis, como os lácteos, que possam ter um efeito protetor contra a diabetes e outras síndromes metabólicas;

– Os americanos estão cuidando mais de sua saúde à medida que programas de cuidados universais com a saúde e de bem-estar no local de trabalho encorajam melhores escolhas de alimentos e de saúde;

– A epidemia de obesidade está diminuindo, apesar de as doenças relacionadas à obesidade continuarem representando uma crise para a saúde;

– O consumo de leite está caindo, com mais pessoas escolhendo outras bebidas alternativas, como água;

– A sustentabilidade é uma preocupação crescente entre os produtores de alimentos;

– O café da manhã está de volta. Mais americanos estão consumindo café da manhã no começo do dia;

– A imagem saudável dos probióticos está ajudando a direcionar as vendas de iogurtes;

– Transparência e confiança caminham lado a lado à medida que mais americanos estão interessados em saber de onde vem seu alimento e como os animais são tratados;

 

Fonte: http://www.farmpoint.com.br/