Grande marca de sorvetes muda embalagens para atingir público mais jovem

Imagem

Grande marca de sorvetes muda embalagens para atingir público mais jovem

Com mais de 50 anos de existência, Häagen-Dazs passou a ser conhecida como um produto gourmet, tradicional, caro e, consequentemente, para um público mais velho. Continuar lendo

Lata e vidro são embalagens que conservam melhor os alimentos.

shutterstock_146455145

Latas e vidros são os tipos de embalagens que melhor conservam os alimentos. Eles duram 2 anos, em média. Depois, vêm o sachê (1 ano e meio) e a caixinha longa vida (1 ano). Independentemente do material, porém, uma coisa é certa: produtos vendidos sem embalagem estragam muito mais rápido, pois o material de revestimento protege o conteúdo da luz, da umidade e do contato com o oxigênio.

Segundo a engenheira de alimentos Eloisa Garcia e a nutricionista Rosana Raele, as embalagens conservam o sabor, o cheiro, a textura e os nutrientes dos produtos. Isso porque elas criam barreiras para retardar o processo de degradação e de perda de qualidade dos alimentos, o que acontece com a exposição ao ambiente.

Os biscoitos, por exemplo, absorvem mais umidade; já a batata frita estraga com a umidade e o oxigênio; enquanto o molho de tomate se degrada com a ação do oxigênio e da luz. Por essa razão, é importante não comprar embalagens danificadas (estufadas, rasgadas, amassadas, furadas, molhadas ou abertas), já que assim o material fica mais permeável a micro-organismos.

Fonte:  http://g1.globo.com/bemestar

Tendências em embalagens de alimentos.

Quem acompanha tendências vêm observando uma corrente forte se formando.
São embalagens de cores vibrantes, padronagens e ícones divertidos, sem muitas imagens, de forma minimalista mas bem moderna, deixando os alimentos ainda mais atrativos.

Dois casos de destaque são as embalagens novas da marca de pães e bolos Nutrella, e a marca de sucos do bem.

As embalagens da marca Nutrella foram reformuladas para reforçar a concepção de saudabilidade e ainda, trazendo muito bom humor para inovar sem perder o prestígio de 30 anos de mercado. Segundo os criadores da nova linha de embalagens, o público alvo é formado por mulheres independentes que tem uma rotina intensa, porém mantendo a alimentação leve. A marca conta com várias opções e pães, todas identificadas com uma identidade leve e criativa.

nutrella 6

nutrella 7

Também com essa pitada de bom humor, a marca criada em 2007, do bem, traz leveza e jovialidade nas suas embalagens, sempre bem coloridas, com ícones limpos invés de imagens de frutas (predominantes em outras marcas do segmento). Além das cores tropicais e alegres e os ícones divertidos, a marca traz o humor através de frases como “Imagine você dormir mais dez minutos e não ouvir aquele barulho do liquidificador acordando a casa toda” (é o que defende a embalagem do suco de tangerina).
A marca tem vários sucos de frutas, sucos mix (com mais de uma fruta) e agora, a nova linha de chá mate.

suco do bem 2

suco do bem 4

suco do bem 3

Fontes: Blog Chocoladesign, DesignOn, Google.

Tendências de embalagens de alimentos.

O dossiê técnico para o setor de embalagens alimentícias do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas aponta como tendências:

● Tamanho: as embalagens são encontradas cada vez mais com seu tamanho reduzido, devido à redução do tamanho das famílias. Outro fator das embalagens estarem cada vez menores é a variedade de produtos comercializados dentro de uma mesma linha, diferenciando pela marca

● Embalagem global: estas embalagens são produzidas para facilitar a identificação por diferentes países e culturas, pois têm poucas palavras e utilizam símbolos e figuras universais para fixar a imagem do produto em qualquer parte do mundo. Alguns países estão adotando as embalagens globais para a linha de produtos cuja marca já é consagrada em vários continentes.

● Embalagem ecológica: o crescimento da consciência ecológica, em nível mundial, tem estimulado a produção de embalagens recicláveis, de refis e de embalagens que, ao serem descartadas, podem ser amassadas, reduzindo assim o espaço ocupado nos aterros sanitários.

● Embalagem autodestrutível: são embalagens que estão em processo de desenvolvimento. É só uma questão de tempo para que a primeira embalagem autodestrutível seja produzida e desapareça como resultado de seus polímeros de programação temporária. Os avanços que estão ocorrendo na engenharia de materiais terão um papel fundamental na consolidação desta tendência.

● Embalagem funcional: são embalagens que apresentam informações claras e objetivas sobre o conteúdo das embalagens, detalhes sobre a fabricação do produto, formas de manipulação da embalagem, fechamento e refechamento para uma correta conservação do alimento, entre outras características. Sistemas de fácil abertura de tampas metálicas para latas e frascos de vidro são exemplos de embalagens funcionais para o acondicionamento de alimentos. Elas evitam a contaminação e possibilitando uma melhor conservação, prolongando-se, muitas vezes, a possibilidade de consumo dos produtos.

A pesquisadora Claire Sarantópoulos, do Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea) do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), de Campinas, órgão vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, é quem indica a oportunidade de mercado. De acordo com ela, a variedade de embalagens encontrada no Brasil, ainda é restrita ao perfil do nosso mercado, em que os grandes volumes são de baixo valor agregado: “Temos produtos de alta tecnologia como as latas de alumínio usadas em bebidas, filmes plásticos de alta barreira utilizados na conservação de alimentos e garrafas PET com reciclagem pós-consumo. Contudo, algumas tendências para o futuro ainda são raras no país como sistemas mais sofisticados de fácil abertura, embalagens ativas e inteligentes – que controlam os gases e a umidade ao redor de frutas ou incorporam absorvedores de oxigênio para preservar alimentos e bebidas por mais tempo – e outras tecnologias de rastreabilidade, como as etiquetas de identificação por radiofrequência (RFID).”

Fonte: http://www.sebraemercados.com.br

Tendências de alimentos embalados na América Latina.

“A indústria de alimentos embalados é muito dinâmica neste hemisfério através de estilos de vida cada vez mais agitado, mas também mais conscientes da saúde. Isto leva a hábitos alimentares evoluir e introduzir inovações para atender a demanda “, disse Sean Kreidler , Gerente de Pesquisa da América Latina em Euromonitor International. Cidades e estilos de vida as pessoas costumam ir mudando, o que significa que os hábitos de consumo também variam de acordo com as novas necessidades. Um exemplo é o que está acontecendo no Brasil, onde os consumidores já estão demonstrando algumas variações em suas preferências alimentares , bem como canais de distribuição para atender a estes produtos .

O inquérito revelou que os consumidores brasileiros estão procurando maneiras cada vez mais rápidas e convenientes para obter comida , de modo que as categorias com maior potencial são aqueles que oferecem pratos tradicionais daquele país em um formato conveniente . Exemplos são congelados pão de queijo ( pão de queijo ) ou frango congelado ( aves marinadas, principalmente populares para o Natal ) .

A isto se soma os lanches em pequenas embalagens e macarrão – , o último, que têm mostrado , de acordo com o relatório, uma grande popularidade em vários países da região , como Bolívia e Argentina.

Produtos embalados têm vindo a ganhar terreno , de modo que sua venda está movendo-se “cada vez mais além do reino do supermercado de varejo para atacado supermercados brasileiros . Estes supermercados atacadistas estão localizados fora dos centros urbanos e são extremamente populares entre os consumidores de baixa renda. Grandes famílias são o alvo principal e essas famílias estão dispostas a viajar longas distâncias ou fora de suas rotas normais para comprar produtos embalados em massa , evitando os hipermercados caros ” .

Além disso, os brasileiros têm demonstrado outra tendência e está relacionado ao se tornaram mais sofisticados no café da manhã . O estudo revelou que, com a ascensão da classe média eo aumento da receita líquida , os consumidores brasileiros começaram a incorporar uma ampla variedade de produtos para o café da manhã tradicional consumida no Brasil , que consiste em pão com óleo ou gordura para barrar ou manteiga com leite ou café .

A incorporação de novos produtos são aqueles que anteriormente eram considerados caros , como carnes processadas refrigeradas , bolos e cereais , sendo que comer feijão no café da manhã caiu na América Latina.

Fonte: http://www.revista-fi.com/