Efeitos do Iogurte sobre o controle do peso e doenças crônicas.

shutterstock_140684179

Há um crescente grupo de evidências ligando o consumo de iogurte com a melhora da saúde, e uma pesquisa adicional para identificar a ligação científica entre o iogurte e potenciais benefícios para a saúde está em andamento, dizem os cientistas. Especialistas internacionais em nutrição reuniram-se na First Global Summit on the Health Effects of  Yogurt (Primeira Conferência sobre os Efeitos Saudáveis do Iogurte) em Boston em 24 de abril de 2013 para apresentar a atual posição da ciência sobre os efeitos saudáveis do iogurte na saúde e identificar as lacunas das pesquisas que precisam ser observadas pela comunidade científica. O iogurte é uma excelente fonte de proteínas e nutrientes essenciais, como cálcio, potássio e magnésio, e também contém bactérias saudáveis (probióticos).

O perfi l nutriente único do iogurte tem estimulado pesquisas sobre seu impacto em diversos temas, como saúde óssea e intestinal, diabetes, controle do peso do corpo, câncer e doenças cardiovasculares. Muito do que é conhecido sobre os potenciais efeitos saudáveis do iogurte provêm de estudos que examinavam o consumo geral de laticínios, incluindo leite e queijo. Poucos estudos se concentraram exclusivamente no iogurte. O consumo de laticínios é associado com uma redução no risco de desenvolver algumas das doenças mais prevalentes da sociedade moderna, incluindo hipertensão, diabetes e câncer. A ingestão do leite fermentado e iogurte, especifi camente, tem sido associada a um risco reduzido de desenvolver câncer de bexiga, um menor risco de ataque e doença cardíaca e diminuição da pressão arterial. Vários estudos também têm demonstrado que o consumo de iogurte pode ajudar no controle do peso. Um estudo prospective sobre três coortes, envolvendo mais de 120.000 adultos americanos mostrou que o consumo de iogurte, frutas, legumes e grãos integrais foram associados com menor ganho de peso ao longo do tempo e o iogurte mostrou estar mais associado a isso. Outro estudo mostrou que o consumo de iogurte está relacionado com menor ganho de peso e menor aumento da circunferência da cintura ao longo do tempo. A First Global Summit on the Health Effects of Yogurt é parte da plurianual Yogurt in Nutrition Initiative (Iniciativa do Iogurte na Nutrição, YINI), uma parceria global entre a American Society for Nutrition (Sociedade Americana de Nutrição), Danone Institute International e Nutrition Society (Sociedade de Nutrição) do Reino Unido para avaliar a atual base de evidências sobre o impacto nutricional do iogurte. Através de conferências científi cas anuais e atividades de apoio, esta iniciativa pretende estimular novas pesquisas e transmitir informações científi cas disponíveis para profissionais da saúde e público. Durante a conferência, especialistas discutiram a necessidade de estudos que examinem os atributos específicos do iogurte à saúde, o papel ideal dos laticínios em uma dieta saudável e o efeito do iogurte em populações específi cas, como jovens e idosos. O Dairy Research Institute (Instituto de Pesquisa sobre Laticínios), localizados nos Estados Unidos, também fez parte desta conferência inaugural.

Fonte: http://www.nutrition.org/yogurt

FDA anuncia fim das gorduras trans na indústria de alimentos.

A Administração para Alimentos e Drogas (FDA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos anunciou que vai exigir da indústria de alimentos a eliminação gradual de todas as gorduras trans, porque são uma ameaça à saúde das pessoas . A comissária Margaret Hamburg disse que a medida poder evitar 20 mil ataques cardíacos por ano e 7 mil mortes. A funcionária da FDA disse que embora a quantidade de gorduras trans na dieta do país tenha diminuído drasticamente na última década , “continuam a ser uma área de significativa preocupação de saúde pública”. As gorduras trans têm sido muito criticada por nutricionistas e foi banida em estados como Nova York e outros. A agência ainda não estabeleceu um cronograma para a eliminação, mas vai recolher comentários por dois meses antes de determinar quanto tempo isso vai demorar. Alimentos diferentes podem ter diferentes prazos, dependendo da dificuldade de substituição.

Fonte: http://www.revista-fi.com/

Tendências alimentares Brasileiras (parte III).

Para avaliar o grau de aderência do consumidor brasileiro às tendências internacionais, a FIESP encomendou ao Ibope uma pesquisa nacional realizada nas nove principais regiões metropolitanas do País.

Das quatro tendências encontradas no Brasil, três delas são similares às globais; Conveniência e Praticidade, Confiabilidade e Qualidade, Sensorialidade e Prazer.

A 4ª tendência identificada no país representa a fusão entre duas observadas nos estudos internacionais de referência: Saudabilidade e Bem-estar e Sustentabilidade e Ética.  No País, o engajamento em prol do social e do meio ambiente vinculados às praticas de consumo de alimentos já está presente, porém atrelado a questões de saudabilidade e bem-estar.

Esse segmento representa, aproximadamente, 21% do mercado consumidor de alimentos, com forte potencial de crescimento, estando mais presente na classe C; entre casados; com destaque para a Região Nordeste. O que mais se destaca nesse grupo é a busca por alimentos que podem trazer algum benefício à saúde. Para isso, buscam selos de qualidade e outras informações sobre a origem dos alimentos. A procura pela qualidade de vida se revela, nesse segmento, como um ideal mais amplo, que inclui a sociedade e o meio ambiente. Esses consumidores priorizam a compra de alimentos industrializados se souberem que o fabricante protege o meio ambiente ou tem projetos sociais. Por outro lado, deixam de comprar o produto de empresas envolvidas com irregularidades, mesmo sendo de uma marca conhecida ou de confiança.

Esta publicação evidencia que as transformações nos fatores de demanda estão levando a importantes mudanças no comportamento do consumidor, refletidas pela indústria de alimentos nos novos ingredientes, processos e embalagens que integrarão um produto com diferenciais competitivos em relação aos demais. Dessa forma, quem ganha é a sociedade como um todo com conhecimentos e informações que proporcionarão produtos brasileiros com qualidade assegurada, saborosos e saudáveis, dentro de um cenário de sustentabilidade e ética cada vez mais importante para 2020.

Fonte: http://www.rgnutri.com.br/

Tendências alimentares Brasileiras (parte II).

Com esse objetivo identificaram-se as recentes exigências e tendências dos consumidores mundiais de alimentos, com base em uma análise de relatórios estratégicos produzidos por institutos de referência, com a divisão de 5 categorias de grupos. Estes grupos são:

Sensorialidade e prazer
As tendências desta categoria estão ligadas ao aumento do nível de educação, informação e renda da população, entre outros fatores.

Os segmentos de consumo de produtos de maior valor agregado tendem a continuar crescendo, tanto em relação aos produtos gourmet premium, geralmente destinados à população de alta renda, como também para os alimentos sofisticados que têm preço acessível para os consumidores emergentes, os quais deverão representar os grandes mercados para a indústria de alimentos no futuro.

Saudabilidade e bem-estar
Tais tendências originam-se do envelhecimento da população e os avanços da ciência com estudos que vinculam determinadas dietas as doenças. O problema do excesso de peso e obesidade nas populações de vários países estimula os produtos para dietas, alimentos com redução ou eliminação de substâncias calóricas. Portanto, o segmento diet/light deve continuar sua tendência de crescimento, ao qual se está aliando uma nova categoria de produtos com ingredientes específicos para queimar calorias e saciar o apetite. Nos países desenvolvidos, consolida-se o consumo de alimentos orgânicos, os quais enfrentam a concorrência das versões naturais de produtos tradicionais, com eliminação de aditivos químicos, entre outras características.

Conveniência e praticidade
Motivadas principalmente pelo ritmo de vida dos grandes centros urbanos, tais tendências apontam um aumento da demanda por refeições prontas e produtos em pequenas porções, embalados em porções individuais, adequados para comer no transito ou em diferentes lugares ou situações. Mas estas tendências convergem com as de saúdabilidade e bem-estar aumentando a demanda porsnacks de vegetais, iogurtes, sucos enlatados e etc.

Confiabilidade e Qualidade
Consumidores mais conscientes e informados demandam produtos seguros e de qualidade e origem atestadas, com boas praticas de fabricação e controle de riscos. Nessa direção têm sido valorizadas características que são intrínsecas aos produtos, tais como a rastreabilidade e a garantia de origem, os certificados de sistemas de gestão de qualidade e segurança, a rotulagem informativa e outras formas de comunicação que as empresas possam utilizar para demonstrar os atributos dos seus produtos.

Sustentabilidade e ética
Em relação à sustentabilidade ambiental estão sendo valorizados produtos com uma menor “pegada” de carbono (carbon footprint), baixo impacto ambiental, não estar associado a maus-tratos aos animais, ter rotulagem ambiental, ter embalagens recicláveis e recicladas etc. Sob o aspecto social, tem aumentado o interesse por produtos vinculados a causas sociais, com certificados de origem de sistema fairtrade, além da simpatia pelas empresas com programas avaliados e certificados de responsabilidade social.

Fonte: http://www.rgnutri.com.br/

Tendências alimentares Brasileiras (parte I).

shutterstock_146199644

O que você busca em sua alimentação? Sabor, qualidade ou a praticidade? Para responder essa dúvida e antecipar as demandas da sociedade, do governo e da iniciativa privada, o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), em parceria com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e apoio de instituições e colaboradores especiais desenvolveu o projeto Brasil Food Trends 2020 (“Tendências alimentares brasileiras em 2020”), cujo objetivo é a apresentação das principais tendências da alimentação e a análise de seus impactos para as diferentes atividades e setores de alimentos no Brasil.
Para as indústrias atentas aos movimentos do mercado, as tendências como “sensorialidade e prazer”, “saudabilidade e bem-estar”, “conveniência e praticidade”, “confiabilidade e qualidade”, “sustentabilidade e ética” já fazem parte dos seus produtos, por meio de atributos que ofereçam um diferencial de competitividade presente nos processos produtivos, nos ingredientes e nas embalagens.
Estes, influenciados pelos diferentes objetivos e tecnologias existentes, além de determinarem fortemente a competitividade do negócio, hoje também são capazes de, por conta própria, potencializar as vendas por proporcionarem diferenciais relevantes às marcas e produtos. Também abordados neste estudo, o varejo e o setor de food service estão atentos às tendências apresentadas, que, da mesma forma, estão levando a modificações importantes na maneira de se relacionarem com os consumidores. O hábito de monitorar as tendências é atividade permanente em empresas de grande porte. Entretanto, não se pode afirmar o mesmo para parte significativa das micro e pequenas indústrias, daí a contribuição deste trabalho no sentido de sistematizar as variáveis mais relevantes, para subsidiar os projetos de PD&I dessas empresas. Este estudo baseia-se, inicialmente, no levantamento de informações e de pesquisa sobre as macrotendências globais e as tendências relacionadas ao setor de alimentação, para posterior consolidação e análise.

Fonte: http://www.rgnutri.com.br/

Tendências de alimentos embalados na América Latina.

“A indústria de alimentos embalados é muito dinâmica neste hemisfério através de estilos de vida cada vez mais agitado, mas também mais conscientes da saúde. Isto leva a hábitos alimentares evoluir e introduzir inovações para atender a demanda “, disse Sean Kreidler , Gerente de Pesquisa da América Latina em Euromonitor International. Cidades e estilos de vida as pessoas costumam ir mudando, o que significa que os hábitos de consumo também variam de acordo com as novas necessidades. Um exemplo é o que está acontecendo no Brasil, onde os consumidores já estão demonstrando algumas variações em suas preferências alimentares , bem como canais de distribuição para atender a estes produtos .

O inquérito revelou que os consumidores brasileiros estão procurando maneiras cada vez mais rápidas e convenientes para obter comida , de modo que as categorias com maior potencial são aqueles que oferecem pratos tradicionais daquele país em um formato conveniente . Exemplos são congelados pão de queijo ( pão de queijo ) ou frango congelado ( aves marinadas, principalmente populares para o Natal ) .

A isto se soma os lanches em pequenas embalagens e macarrão – , o último, que têm mostrado , de acordo com o relatório, uma grande popularidade em vários países da região , como Bolívia e Argentina.

Produtos embalados têm vindo a ganhar terreno , de modo que sua venda está movendo-se “cada vez mais além do reino do supermercado de varejo para atacado supermercados brasileiros . Estes supermercados atacadistas estão localizados fora dos centros urbanos e são extremamente populares entre os consumidores de baixa renda. Grandes famílias são o alvo principal e essas famílias estão dispostas a viajar longas distâncias ou fora de suas rotas normais para comprar produtos embalados em massa , evitando os hipermercados caros ” .

Além disso, os brasileiros têm demonstrado outra tendência e está relacionado ao se tornaram mais sofisticados no café da manhã . O estudo revelou que, com a ascensão da classe média eo aumento da receita líquida , os consumidores brasileiros começaram a incorporar uma ampla variedade de produtos para o café da manhã tradicional consumida no Brasil , que consiste em pão com óleo ou gordura para barrar ou manteiga com leite ou café .

A incorporação de novos produtos são aqueles que anteriormente eram considerados caros , como carnes processadas refrigeradas , bolos e cereais , sendo que comer feijão no café da manhã caiu na América Latina.

Fonte: http://www.revista-fi.com/

Tendências de alimentos embalados na América Latina.

“A indústria de alimentos embalados é muito dinâmico neste hemisfério, através de estilos de vida cada vez mais agitado, mas também mais conscientes da saúde. Isto leva a hábitos alimentares a evoluir e introduzir inovações para atender a demanda”, disse Sean Kreidler, Gerente de Pesquisa da América Latina em Euromonitor International. Cidades e estilos de vida costumam mudar, o que significa que os hábitos também variam de acordo com as novas necessidades. Um exemplo é o que está acontecendo aqui no Brasil, onde os consumidores já estão demonstrando algumas variações em suas preferências alimentares, bem como canais de distribuição para atender a estes produtos.

O inquérito revelou que os consumidores brasileiros estão procurando maneiras cada vez mais rápidas e convenientes de obter comida, de modo que as categorias com maior potencial são aqueles que oferecem pratos tradicionais. Exemplos são congelados pão de queijo (pão de queijo) ou frango congelado (aves marinadas, principalmente populares para o Natal).

A isto se soma aos lanches em pequenas embalagens e macarrão -, o último, que tem mostrado, de acordo com o relatório, uma grande popularidade em vários países da região, como Bolívia e Argentina.

Produtos embalados têm vindo a ganhar terreno, de modo que sua venda está movendo-se “cada vez mais além do reino do supermercado de varejo para atacados supermercados brasileiros. Estes supermercados atacadistas estão localizados fora dos centros urbanos e são extremamente populares entre os consumidores de baixa renda. Grandes famílias são o alvo principal e essas famílias estão dispostas a viajar longas distâncias ou fora de suas rotas normais para comprar produtos embalados em massa, evitando os hipermercados caros”.

Além disso, os brasileiros têm demonstrado outra tendência que está relacionado ao se tornaram mais sofisti.cados no café da manhã. O estudo revelou que, com a ascensão da classe média e o aumento da receita líquida, os consumidores brasileiros começaram a incorporar uma ampla variedade de produtos para o café da manhã tradicional consumida no Brasil, que consiste em pão com óleo ou gordura, ou manteiga com leite ou café .

A incorporação de novos produtos são aqueles que anteriormente eram considerados caros, como carnes processadas refrigeradas, bolos e cereais, sendo que comer feijão no café da manhã caiu na América Latina.

Fonte: http://FoodNewsLatam.com