No Brasil, a redução de sal nos alimentos não teve efeito

Imagem

No Brasil, a redução de sal nos alimentos não teve efeito

Apesar do acordo entre o Ministério da Saúde e a Associação das Indústrias da Alimentação (Abia) ter retirado mais de 14.000 toneladas de sódio dos alimentos processados desde 2011, não houve alteração no número de pessoas com hipertensão no Brasil.

Continuar lendo

Novo sal sem sódio é opção para hipertensos brasileiros

study-poor-eat-more-salt-suffer-for-it-130111-660

Quem tem problemas de pressão alta ou está combatendo o inchaço e a retenção de líquidos sabe das dificuldades de evitar alimentos com sal. Mas os dias de comida insossa estão contados. Isso porque a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) registrou e autorizou a comercialização do Bio Salgante, primeiro substituto do sal de cozinha fabricado no Brasil que não contém sódio em sua composição.
O produto é feito à base de cloreto de potássio, a diferença dele para o sal light, presente no mercado há anos, é que este último mescla cloreto de sódio e de potássio.

Segundo a empresa fabricante, o sabor do novo aditivo é muito semelhante ao sal tradicional, tanto que, em testes cegos realizados, pessoas chegaram a confundir os gostos. Mas para que o paladar não fique alterado, é necessário cozinhar os alimentos temperados com o salgante em fogo brando, abaixo de 180 graus Celsius.

A fórmula do Bio Salgante foi criada após uma pesquisa comandada por Massayoshi Yoshida, químico, farmacêutico e professor da Universidade de São Paulo. Depois de pronta, a invenção foi testada pela Unifesp em ratos normotensos (de pressão arterial normal) e hipertensos. Os dois grupos de animais foram submetidos a cerca de uma semana ingerindo sal comum, na proporção indicada à ingestão humana. Depois desse período, todos tiveram aumento de pressão. Quando o salgante foi usado no teste, com os mesmos procedimentos, a pressão arterial dos bichos de ambos os grupos foi mantida.
Apesar de esse novo sal ser mais saudável do que o tradicional, é preciso tomar cuidado com os excessos, já que tanto o cloro quanto o potássio podem ser prejudiciais à saúde se forem ingeridos além da conta.

Fonte: http://guialat.com.br

Comer mais potássio e menos sal protege o coração.

shutterstock_125705741

Uma série de estudos publicados nesta quinta-feira no site da revista British Medical Journal (BMJ) reforçou que reduzir o consumo de sódio ajuda a evitar problemas cardíacos — e ainda revelou que ingerir maiores quantidades de potássio, encontrado principalmente em frutas, verduras e legumes frescos, também propicia esse benefício. De acordo com as conclusões de um deles, uma alta ingestão de potássio pode diminuir em até 24% o risco de uma pessoa sofrer um acidente vascular cerebral (AVC).

Uma das pesquisas divulgadas pela revista, que se concentrou em avaliar os efeitos do potássio sobre a saúde, foi feita por especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e é uma revisão de 33 trabalhos sobre o assunto. Os resultados do estudo mostraram que consumir de três a quatro gramas de potássio por dia já é o suficiente para reduzir a pressão arterial e pode diminuir o risco de um derrame cerebral.

De acordo com o artigo, o potássio é fundamental para o funcionamento das células. Cada vez mais, as pessoas deixam de consumir o nutriente em quantidades adequadas, já que os alimentos industrializados reduzem os níveis de potássio na comida. Por isso, quanto mais alimentos frescos forem consumidos, maiores níveis do nutriente uma pessoa vai ingerir.  Fontes ricas em potássio incluem alimentos como feijão, ervilhas, couve, espinafre, banana e mamão.

Outra pesquisa publicada pelo BMJ reforçou as recomendações da OMS de que reduzir o consumo diário de sódio é fundamental para proteger a saúde do coração, mas indicou que essa diminuição deva ser ainda maior do que a proposta pelo órgão de saúde.

Segundo a OMS, a população mundial consome, em média, de 9 a 12 gramas de sal por dia, o equivalente a entre 3,6 e 4,8 gramas de sódio. Para o órgão, o ideal é que sejam ingeridos não mais do que cinco gramas de sal diariamente. Porém, de acordo com esse estudo, que foi feito na Universidade de Londres Queen Mary, embora a redução proposta pela OMS ajude a controlar a pressão arterial das pessoas, esse benefício pode ser ainda maior se as pessoas passarem a consumir, no máximo, três gramas de sal ao dia. Essa pesquisa foi feita com base na revisão de 34 estudos realizados anteriormente.

Assunto em evidência — A OMS elegeu a hipertensão como tema do Dia Mundial da Saúde deste ano, que acontece em 7 de abril. Segundo o órgão, a doença causa 9,4 milhões de mortes todos os anos no mundo e é responsável por 45% de todas as mortes por ataque cardíaco e 51% dar mortes por AVC registradas globalmente. Um estudo publicado em 2012 na revista The Lancet revelou que a pressão alta é o principal fator de risco à saúde da população mundial — há 20 anos, a doença ocupava o quarto lugar nesse quesito, ficando atrás do baixo peso infantil, da poluição dentro de casa e do tabagismo.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude