Vitamina C reduz o risco de doenças cardiovasculares

shutterstock_235578622

Tomar suplementos diários de vitamina C pode ser tão benéfico para a saúde cardíaca de pessoas com sobrepeso ou obesas, quanto a prática de atividade física. É o que diz um novo estudo conduzido pela Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, e apresentado recentemente na 14ª Conferência Internacional da Sociedade Americana de Fisiologia.

A explicação é simples: o sobrepeso faz com que os vasos sanguíneos tenham alta atividade da endotelina-1 (ET-1), uma proteína que causa vasoconstrição. A vasoconstrição, por sua vez, aumenta a pressão arterial e, portanto, o risco de doenças cardiovasculares. Os pesquisadores descobriram que ingerir o equivalente a 500mg de vitamina C por dia ajuda a reduzir a atividade da ET-1 tanto quanto a prática de exercícios.

Participaram do estudo 35 adultos sedentários, com sobrepeso ou obesos. Ao longo de três meses, os voluntários foram divididos em dois grupos: o primeiro, com 20 participantes, tomou suplementos diários de vitamina C; o segundo, com 15 integrantes, realizou um treinamento diário de exercícios aeróbicos.

Os resultados mostraram que o grupo que tomou uma dose diária de 500mg de vitamina C conseguiu reduzir a atividade da endoletina-1 tanto quanto a equipe da caminhada.

Os pesquisadores ressaltam que, embora os suplementos de vitamina C não devam ser considerados uma alternativa à atividade física, sua ingestão regular já é um começo para ajudar na redução do risco de doenças. Eles também ressaltam que tomar 500mg de vitamina C diariamente é uma dose alta que pode causar alguns efeitos colaterais como cólica abdominal, diarreia e náusea. Por isso, o acompanhamento médico é fundamental.

Fonte: Veja Saúde

Consumo de frutas e vegetais reduz risco de morte por diversas causas.

Comer no mínimo sete porções de frutas e vegetais por dia reduz o risco de morrer por qualquer causa e em qualquer idade em 42%. Essa é a conclusão de um estudo publicado nesta segunda-feira no periódico Journal of Epidemiology & Community Health, o primeiro a relacionar a quantidade de consumo desses alimentos com diversas causas de óbito, tais como câncer e doenças no coração.

A análise feita por pesquisadores da Universidade College London, na Inglaterra, que apuraram os hábitos alimentares de 65 226 pessoas entre 2001 e 2013 e descobriram que, quanto mais frutas e vegetais elas comiam, menos chance de morrer tinham. Ingerir pelo menos sete porções reduziu o risco de morte por câncer e doenças do coração em 25% e 31%, respectivamente. Os cientistas também concluíram que os vegetais são mais benéficos à saúde do que as frutas (uma porção por dia diminuiu o risco em 16%, ante 4% da fruta).

Para aqueles que comeram de uma a três porções de frutas e vegetais por dia, o risco de óbito por qualquer causa caiu em 14%. A probabilidade diminuiu à medida que o consumo aumentou: 29% de três a cinco porções, 36% de cinco a sete porções e 42% de sete ou mais porções. Para chegar a esses dados, os estudiosos levaram em conta sexo, idade, tabagismo, classe social, índice de massa corpórea, nível de escolaridade, frequência de atividade física e ingestão de álcool.

“As pessoas não precisam se sentir obrigadas a alcançar sete porções. É sempre benéfico consumir frutas e vegetais, em qualquer quantidade. No nosso estudo, até os que comeram de uma a três porções tiveram resultados significativos”, diz Oyinlola Oyebode, líder do estudo.

Alimentos que favorecem o sistema imunológico:

Captura de Tela 2014-04-09 às 15.13.15

Captura de Tela 2014-04-09 às 15.13.30

Captura de Tela 2014-04-09 às 15.13.41

Captura de Tela 2014-04-09 às 15.13.51

Captura de Tela 2014-04-09 às 15.14.04

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude

Vitamina C também pode ajudar a prevenir osteoporose.

shutterstock_134399261

Pela primeira vez, um estudo mostrou que a vitamina C pode proteger uma pessoa contra a osteoporose, uma doença progressiva que diminui a densidade dos ossos e aumenta o risco de fraturas. Até agora, somente o consumo de cálcio e vitamina D são recomendados para a prevenção do problema. A pesquisa, feita com camundongos, foi publicada nesta semana no periódico PLoS One.

De acordo com Mone Zaidi, diretor do Programa para os Ossos da Faculdade de Medicina Monte Sinai, nos Estados Unidos, e coordenador do estudo, os especialistas já sabiam que baixos níveis de vitamina C estão associados, entre outros problemas de saúde, à fragilidade dos ossos. “O que essa pesquisa mostrou de novo é que a vitamina C, quando ingerida em grandes quantidades por camundongos, estimula o aumento da densidade óssea nos animais e protege o esqueleto”, diz o pesquisador. Ele explica que isso ocorre pois o nutriente induz os osteoblastos, células que estimulam a formação óssea, a amadurecerem.

Comparação — Na pesquisa, os camundongos tiveram seus ovários retirados — procedimento conhecido por provocar a redução da densidade óssea. Parte dos animais recebeu doses altas da vitamina C via oral e o restante não ingeriu o nutriente. Após oito semanas, a equipe observou que os camundongos sem ovários que não receberam a vitamina apresentaram uma densidade óssea “muito baixa” em comparação com os animais sem ovários que ingeriram o nutriente. Por outro lado, os camundongos que receberam vitamina C apresentaram a mesma densidade óssea do que animais que não haviam passado pela cirurgia.

De acordo com os autores, esses resultados sugerem que a vitamina C foi a responsável por impedir a perda de densidade dos ossos em animais propensos a apresentar o problema. “Mais pesquisas são necessárias para determinar se esses suplementos alimentares são capazes de prevenir a osteoporose em humanos. Se os estudos futuros confirmarem os nossos achados, a descoberta poderá ser útil em países em desenvolvimento onde a doença é prevalente e os tratamentos são, muitas vezes, caros”, afirma Zaidi.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Vitamin C Prevents Hypogonadal Bone Loss

Onde foi divulgada: periódico PLoS One

Quem fez: Ling-Ling Zhu1, Jay Cao, Merry Sun, Tony Yuen, Raymond Zhou, Jianhua Li, Yuanzhen Peng, Surinder Moonga, Lida Guo, Jeffrey Mechanick, Jameel Iqbal, Liu Peng, Harry Blair, Zhuan Bian e Mone Zaidi

Instituição: Faculdade de Medicina Monte Sinai, Estados Unidos

Resultado: A vitamina C foi capaz de prevenir a perda de densidade óssea em camundongos que tiveram os seus ovários retirados (o procedimento é conhecido por desencadear o problema), sugerindo que o nutriente possa ajudar a prevenir a osteoporose.

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude

Alimentos que melhoram seu humor.

shutterstock_91813130

Todos sabemos que acordar de mau humor às vezes é normal, principalmente na segunda-feira. Mas para que esse humor não se espalhe pelo resto dos dias da semana, você pode dar um pouco de atenção a sua alimentação. Por exemplo a alface é ótima para amenizar a irritação, seu talo contem Lactucina, uma substância que funciona como calmante, além disso, a alface é rica em Fosfato e falta desse elemento no organismo causa depressão, confusão mental e cansaço. Então use e abuse, inclusive no preparo de sucos, nas saladas e nos chás.

A banana é outro alimento muito comum que pode ajudar, e muito, o seu humor. Ela é rica em carboidratos, Potássio, Magnésio e Biotina o que vão lhe garantir um sono tranquilo. A banana possui também a vitamina B6, que produz energia no seu organismo, o que vai te dar aquele pique para começar o dia, mas cuidado, a banana contem muita frutose, o que pode engordar.

Se você tem pressão alta, a verdura para você é o espinafre. Ele contem Magnésio, Fosfato e vitaminas A, C e do complexo B, que ajudam a estabilizar a pressão e garantem o bom funcionamento do sistema nervoso. Além disso, ele tem Potássio e Ácido Fólico que previnem a depressão.

Você é fã de frutos do mar? Então deve estar sempre de bom humor! Eles têm Zinco e Selênio que agem no cérebro, diminuindo o cansaço e a ansiedade. Também são boas fontes de proteína e gordura saudável – Omega 3 – , essencial para o bom funcionamento do coração.

Jabuticaba: essa frutinha contém ferro – que combate a anemia – e vitamina C, que aumenta as defesas do organismo. E mais, a jabuticaba é rica em carboidratos, que fornecem energia e, por isso, reanimam. Para que não prenda os intestinos, a cada 10 jabuticabas, mastigue – e ingira – uma com casca e tudo.

Os nutrientes dos ovos que garantem o bom humor são a Tiamina e a Niacina (vitaminas o complexo B), ácido Fólico e Acetilcolina. A carência deles pode causar apatia, ansiedade e até perda de memória. Dois ovos por semana é uma porção bastante saudável.

Fonte: http://an.locaweb.com.br/Webindependente/ciencia/

Você é o que você come.

shutterstock_156263504

Este é um dito popular com referências nas mais diversas épocas e lugares. Se você pesquisar, irá encontrar frases similares na Grécia Antiga, em Roma, na China, nas Civilizações Pré-Colombianas e Indígenas Americanas e em tantas outras sociedades e períodos históricos. Vicent Hegarty no livro “Nutrition, Food and the Environment” crava: Seu corpo é uma notável coleção de produtos químicos que você obtém a partir dos alimentos, da água, do ar, dos medicamentos e de vários contaminantes. Neste Granonews fui convidado a escrever sobre nutrição e fiz minha pesquisa tanto na biblioteca, quanto nas gôndolas dos supermercados, nas barraquinhas das feiras livres, nos restaurantes, na mesa de refeições de minha própria casa e, obviamente, na internet.

Você já observou a crescente associação entre alimento e qualidade de vida, entre alimento e saúde? Na prateleira de pães no supermercado, nos balcões das padarias, nas capas das principais revistas, ou nos programas de televisão da sexta à noite, observamos como macro-tendência da alimentação, a busca pelo saudável, seja ele através do alimento integral, do natural, do orgânico, do vitaminado, do fortificado ou do funcional.

Há muito o poder público, no Brasil e no exterior, observou a correlação entre a alimentação e a saúde da população. Em especial encontramos grande número de citações da fortificação de alimentos iniciando no período posterior a Grande Depressão nos Estados Unidos, no início do Século XX. Desde então, os países optam por um posicionamento mandatório ou voluntário quanto à fortificação.

No Brasil temos exemplos em ambos os casos. Da fortificação de farinhas de trigo e milho, a programas como o Viva Leite em São Paulo e Leite das Crianças no Paraná, até arroz e biscoitos enriquecidos e achocolatados vitaminados. A massificação dos conceitos de a alimentação saudável cria no consumidor o interesse por benefícios específicos. Não se quer apenas saciar a fome e prazer ao deglutir, buscam-se nos alimentos vantagens para o perfeito funcionamento do organismo, para a sustentação de uma boa saúde, para uma sobre-vida de melhor qualidade. Observe que os alimentos in natura e os industrializados já podem ser classificados segundo os benefícios que promovem. Comer frutas, cereais e alimentos vitaminados para melhor funcionamento do organismo; comer mamão e tomar um iogurte com probióticos para facilitar o processo digestivo; ingerir leite, seus derivados e produtos enriquecidos com cálcio, fósforo, magnésio e vitaminas D, K e C para uma melhor saúde dos ossos e articulações. Estes são apenas alguns exemplos de como os alimentos podem ser vetores de benefícios específicos à saúde e qualidade de vida. A importância dos micronutrientes influencia cada vez mais a rotina da pesquisa e desenvolvimento de alimentos. A matriz alimentar a ser enriquecida, seu processo de industrialização, os benefício preconizados, a biodisponilidade e estabilidade dos micronutrientes, entre outros fatores, definem a composição do buquê nutricional a ser aplicado. Hábitos de vida saudáveis melhoram nossa qualidade de vida. Desenhamos alimentos a fim de conferir benefícios específicos ao organismo humano, que vão além de dar prazer, matar a fome e nutrir. Porque como diriam os Titãs, comida é pasto… mas, a gente não quer só comida.

 

Texto: Divanildo Carvalho Junior. Gerente de Tecnologia e Inovação – Granotec do Brasil.

Suco de laranja contra o colesterol.

shutterstock_83253790

Em estudo realizado foi investigado o efeito do consumo habitual de suco de laranja no perfil dos lípides e lipoproteínas em homens e mulheres normolipidêmicos. Todos os voluntários consumiram 750mL/dia de suco de laranja durante 60 dias. Variáveis bioquímicas como perfil lipídico, apolipoproteínas, glicose, paraoxonase1 e o tamanho de HDL foram medidas antes e após o período de suplementação com suco de laranja. Também foram realizadas medidas antropométricas e inquéritos dietéticos. O consumo crônico de suco de laranja reduziu significativamente o colesterol total e o LDL-C nos homens e nas mulheres. O HDL-C e a apoA-I também diminuíram, refletindo a redução do colesterol total. Porém, os triacilgliceróis, apo B, PON1, tamanho da HDL, IMC, gordura corporal e circunferência abdominal não foram modificados com o tratamento com suco de laranja. Neste estudo, mostrou-se que o suco de laranja apresenta propriedade redutora sobre o colesterol, e foi sugerido que a associação dos flavonóides cítricos com a vitamina C previne o estresse oxidativo e o desenvolvimento da aterosclerose.

Fonte: Revista Scielo de Nutrição
http://www.scielo.br